O pensamento econômico da criançaA compreensão do mundo pela criança e sua formação social passam também pela aprendizagem financeira, como explica a pesquisadora Regina Bonifácio Araújo“Desde os primeiros anos de vida, em suas experiências cotidianas, a criança realiza um esforço constante para compreender as relações econômicas em que está inserida, construindo modelos explicativos que dêem conta dos processos vividos por ela”.

A partir do que é vivido e observado, primeiramente dentro do ambiente familiar e depois junto aos amigos na escola, a criança construirá seu entendimento em relação ao dinheiro[bb] e seus desdobramentos. Ela estabelecerá comparações, fará juízo de valor e formará o seu próprio padrão de comportamento como consumidora.

De acordo com Jean Piaget o desenvolvimento da criança é baseado em dois fatores: a hereditariedade e o meio social que vive e toda organização social vai ser construída a cada dia respeitando as fases do desenvolvimento infantil. A criança constrói desde muito cedo todas as representações sociais, inclusive as questões ligadas ao universo econômico.

As normas, valores, papéis sociais, interação entre pessoas, afetividade, crenças e como a sociedade funciona serão assimilados por ela. Aspectos importantes dentro do universo infantil devem ser acompanhados com cuidado por pais e educadores. Alguns deles são: como mesada é usada, a compreensão do processo de compra e venda, lucro e prejuízo, desperdício, poupança e salário. Outra informação importante é que nessa fase valores morais e éticos também estão sendo construídos.

Marianela Denegri e sua equipe apresentam as bases de um modelo cognitivo explicativo da compreensão do mundo econômico[bb]. É importante salientar que a construção dos modelos mentais pelas crianças se dá de maneira diferente do processo do adulto. Diferença devido à restrita e fragmentada troca com o meio, pois a criança não participa de todos os meios sociais e políticos onde está inserida.

O estudo da equipe de Denegri sobre a socialização econômica procura expor que as crianças e adolescentes não são agentes passivos perante as questões financeiras; elas constroem constantemente explicações e conceitos econômicos a partir de informações recebidas de um adulto ou da mídia em geral. Essas informações formaram a base da sua conduta econômica. Isso pode ser determinante para a formação de um consumidor consciente.

A partir de pesquisas, Denegri conclui que existem três níveis diferentes de concepção econômica nos indivíduos:

  1. Pensamento Econômico Primitivo: consiste na dificuldade em estabelecer relações entre o social e o econômico e que o dinheiro é disponível para todos usarem. Acredita-se que o dinheiro provém de fontes místicas como Deus, de loterias ou troco recebido, que pode ser fabricado por quem tiver máquina para isso. Tem dificuldade de separar o mundo das relações pessoais do universo social e, portanto econômico. Não percebe a relação entre dinheiro e trabalho;
  2. Pensamento Econômico Subordinado: quando a criança realiza sua primeira reflexão sobre a realidade social de uma maneira integrada e começa compreender o mecanismo de lucro. Um aspecto marcante nessa fase é o entendimento com a restrição da realidade social e o uso de leis para cuidar e organizar a sociedade. Momento oportuno para uma educação financeira formal;
  3. Pensamento Econômico Inferencial: nesse nível há uma mudança na forma de pensamento, pois estão na fase da adolescência e já são capazes de fazerem articulações entre conceitos assimilados. O mundo é visto de modo sistêmico e conseguem refletir de modo mais avançado sobre a realidade social e os mecanismos econômicos. Maior entendimento do Estado e seu funcionamento. Importante fase para uma educação financeira mais ampla.

As pesquisas de Denegri e colaboradores são úteis para uma maior compreensão acerca da formação do pensamento econômico nas crianças e servem como referencial teórico para a construção de modelos pedagógicos mais eficazes dentro da educação financeira. São informações relevantes que podem ser utilizadas por pais e educadores. Quem desejar conhecer os trabalhos dessa pesquisadora, eles estão disponíveis em seu blog pessoal: www.marianeladenegri.blogspot.com

Recentes pesquisas com adultos apontam um nível pouco satisfatório de conhecimentos econômicos tendo como primeira conseqüência o endividamento. Entendo que um dos caminhos preventivos ao mau uso dos recursos financeiros é a educação financeira infantil. Ao auxiliarmos a formação dos conceitos econômicos nas crianças e oferecermos ferramentas para que elas lidem melhor com essas questões, estaremos cuidando do futuro do Brasil. O que você acha?

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários