O perfil do investidor e o sucesso nos investimentosRenata comenta: “Navarro, tenho uma curiosidade sobre o perfil dos investidores brasileiros. Reparei que uma das enquetes do Dinheirama trata justamente deste tema. Que tal apresentar os resultados e comentar um pouco sobre a realidade do investidor nacional. Há algum tipo de pesquisa que explore melhor os hábitos dos investidores ou suas reações diante das muitas variáveis e alternativas financeiras disponíveis hoje em dia? Muito obrigada.”

O investidor[bb] é um ser humano. A afirmação pode soar simplista e estranha, mas é como gosto de começar qualquer conversa sobre perfil de investimentos, aversão ao risco e decisões financeiras. É claro que são muitas as ferramentas e dispositivos que auxiliam o processo de tomada de decisão, mas o dinheiro afetado tem sempre relação com alguém – ainda que este seja apenas um representante de alguma instituição maior. Tais observações são úteis para nos lembrar que investir também significa decidir-se com a constante presença da emoção.

E, se há emoção, há conexão entre os temores e interesses pessoais, a sociedade e o dinheiro. Vejamos como se classificam os leitores do Dinheirama:

  • 30% se dizem moderados, satisfeitos com aplicações de pouco risco;
  • 26% se dizem arrojados, aceitando certas doses de risco;
  • 17% se dizem conservadores, adeptos do risco zero;
  • 16% se dizem predominantemente conservadores, dando espaço para pouquíssimo risco;
  • 11% se dizem agressivos, dispostos a correr altos riscos.

A avaliação de pouco ou muito risco é bastante subjetiva, é verdade, mas a enquete serve para ilustrar o relacionamento das pessoas com a necessidade de lidar com suas próprias definições de risco e sucesso nos investimentos[bb]. Percentuais de retorno da ordem de 10% tem significado diferente se considerarmos o país, a aplicação e seu prazo de investimento. O investidor trava uma batalha pessoal na hora de definir o que é interessante ou não para o seu portfólio. A relevância da questão reside na fundamental questão: você discute retorno, risco e prazo das suas decisões de investimento?

Neste sentido, é importante:

1. Desafiar a aversão ao risco. Este quesito implica, necessariamente, conhecer bem o próprio sentimento em relação às muitas opções de investimento disponíveis hoje em dia. Trata-se do aspecto emocional, pessoal e puramente humano que envolve o processo de decidir-se entre uma ou outra alternativa. Duas questões precisam ser digeridas: 1) Você conhece bem as alternativas de investimento disponíveis e seus riscos? e 2) Qual seu grau de aversão ao risco?

2. Avaliar a relação entre risco e retorno de uma alternativa financeira. Conhecer-se bem e definir seu grau pessoal de aversão ao risco abre as portas para que seu dinheiro possa ser inteligentemente aplicado. A questão passa a ser: por que devo optar por determinado produto? O investidor deve aprender a dividir os investimentos em períodos (curto, médio e longo prazo) e a diversificar sem que haja exposição excessiva, mas de forma que aplicações mais arrojadas também sejam consideradas.

3. Alinhar objetivos pessoais e familiares às decisões financeiras. Se investir é interessante, investir para a realização de projetos é ainda melhor. Metas são importantes para criar motivação e disciplina, dois grandes aliados das pessoas bem-sucedidas financeiramente. O primeiro passo é guardar dinheiro, o que lhe permitirá planejar e investir para chegar lá. A graça do investimento é permitir que a liberdade por ele proporcionada seja diariamente valorizada.

Investidor olha mais rentabilidade do que risco.
A afirmação acima consta de uma matéria do jornal Valor Econômico de 10 de junho deste ano, assinada pela jornalista Luciana Monteiro. Um estudo do Ibope mostra que preocupação com perda fica em segundo plano na hora de aplicar. Em números:

  • 32% dos clientes de varejo (pessoas com renda “normal”) olham primeiro o retorno da aplicação antes de investir;
  • O risco de perder dinheiro ficou em segundo lugar, com 25%;
  • A preocupação com a taxa de administração aparece com apenas 1% neste segmento.

No segmento Premium, de poder aquisitivo maior, a relação é parecida, mas a preocupação com a taxa de administração é de 4%, quatro vezes maior que no varejo. O levantamento mostra ainda que a agência bancária ainda é a principal fonte de informações para o cliente interessado em investir. No varejo, 61% dos clientes buscam tirar suas dúvidas com o gerente. Na elite, 53% preferem as agências e 34% os meios de comunicação e sites dos bancos.

Aliás, considerando os dois tipos de clientes, a pesquisa do Ibope mostra que mais de 60% dos entrevistados consideram o atendimento do gerente adequado às suas necessidades. A pesquisa traça um importante perfil do investidor no que diz respeito às preferências por tipo de investimento:

  • No varejo, a caderneta de poupança lidera com 60%, seguida do fundo de renda fixa (39%), fundo DI (33%), previdência (34%), título de capitalização (28%), CDB (26%), ações (19%), fundo de ações (18%), fundos multimercados (3%) e títulos públicos (2%);
  • No segmento Premium, a liderança está dividida entre o fundo de renda fixa e fundo DI, com 51%, seguidos da caderneta de poupança (47%), previdência (42%), CDB (39%), fundo de ações (32%), título de capitalização (25%), ações (22%), fundos multimercados (15%) e títulos públicos (4%).

As informações são importantes para frisar que a diferença entre o bom e o mau investimento não é o produto financeiro escolhido, mas todo o processo de tomada de decisão que envolve o investidor e seu dinheiro[bb]. Conhecimento e controle das emoções, estudo e informação sobre as alternativas, um bom parceiro financeiro (banco, corretora etc.) e disciplina continuam sendo os ingredientes essenciais para o sucesso nos investimentos.

——
Conrado Navarro
, educador financeiro, tem MBA em Finanças e é mestrando em Produção, Economia e Finanças pela UNIFEI. Sócio-fundador do Dinheirama, autor do livro “Vamos falar de dinheiro?” (Novatec),  Navarro atingiu sua independência financeira antes dos 30 anos e adora motivar seus amigos e leitores a encarar o mesmo desafio. Ministra cursos de educação financeira e atua como consultor independente.

Crédito da foto para stock.xchng.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários