O prazo de resgate e o sucesso nos investimentosTenho observado que alguns investidores resistem mais em aceitar prazos de resgates mais longos, diferentes de um dia, do que um nível maior de risco. Vamos entender por que os investimentos mais rentáveis exigem um maior horizonte de tempo.

Imagine um negócio próprio: é investimento de alto risco, muito mais arriscado até do que as ações. Afinal, vender as ações de uma empresa é mais fácil do que vender uma empresa, mesmo que de pequeno porte. Você poderá lucrar muito abrindo uma franquia ou outro negócio qualquer, porém muito dificilmente os lucros chegarão antes de um ano (sendo bem otimista) e a atividade demandará muito trabalho e paciência antes de obter o retorno.

Nos investimentos financeiros, aconteceu algo muito semelhante. Se fosse fácil alcançar grandes rentabilidades, seríamos todos ricos.

Um recurso para minimizar risco é ter horizonte de longo prazo. Por isso, produtos mais sofisticados, como os fundos multimercado e os fundos de ações, possuem prazos de resgates mais longos para evitar que resgates inesperados obriguem a desmontar operações antes do prazo ou vender posições com menos liquidez a qualquer preço, reduzindo a rentabilidade para os cotistas.

As teses de investimentos precisam de tempo para maturar, assim como o negócio próprio requer tempo para se estabelecer. Ter acesso imediato ao dinheiro é mais confortável, todavia aguardar 30, 60 e até mesmo 90 dias para obter maior rentabilidade não pode ser visto como um obstáculo. Nada que um planejamento criterioso não resolva.

Distribuir os recursos adequadamente, sempre contemplando liquidez para as emergências e para aproveitar as oportunidades caso elas apareçam, pode tornar sua nova carteira tão confortável quanto a antiga. Com horizonte de investimento mais extenso, pode-se tolerar mais risco e aceitar prazos de resgate mais longos. Aumentarão as chances de obter maiores retornos e haverá tempo para recuperar perdas caso elas ocorram.

Alguns fundos permitem a saída antecipada mediante o pagamento de uma taxa. Mas é melhor nunca ter de utilizar esta opção, pois esta taxa é muito elevada, variando entre 5% e 10% do valor resgatado, e poderá consumir todos os seus ganhos. Novamente, um bom planejamento pode evitar a saída antecipada.

Outra maneira pela qual o prazo mais longo contribui para a rentabilidade da sua carteira é pagando menos imposto de renda. O imposto retido na fonte para aplicação em títulos de renda fixa e fundos de renda fixa de longo prazo e multimercado é aplicado conforme tabela regressiva e a menor alíquota é de 15% para valores aplicados há dois anos ou mais.

Também existem fundos com políticas de investimento ainda mais sofisticadas e que requerem um comprometimento maior dos investidores. Com prazos determinados para captação e encerramento não é possível fazer aplicações quando bem entender e nem solicitar resgate antes do prazo estabelecido, que pode chegar a 10 anos, como nos fundos imobiliários. São fundos fechados e, em geral, só aceitam aplicações de investidores qualificados.

Se você é do tipo que nunca se importou com a existência de opções mais rentáveis de investimentos e sempre deixou o dinheiro aplicado no próprio banco, com a queda da taxa de juros ou vai ter de expandir sua zona de conforto, ou vai ter de se contentar com retornos líquidos abaixo de 7,25% ao ano, que é a nossa taxa de referência.

Por expandir o horizonte entenda aceitar algum risco, adequado ao seu objetivo e perfil, e alongar o horizonte de investimento para, pelo menos, dois anos. Vale ainda lembrar que a inflação está alta. A oficial já chegou a 6,3%, mas a que sentimos no bolso é bem maior do que isso.

Faz sentido? Agradeço o espaço dado pelo Dinheirama e aproveito para lembrá-lo de que na Órama, onde sou consultora de investimentos, você encontra diversos Fundos,do mais conservador ao mais agressivo, e com diferentes prazos de resgate. Clique aqui e conheça!

Para entender o que está acontecendo na economia este ano, quais são as nossas perspectivas e os investimentos mais indicados neste cenário, clique aqui e baixe gratuitamente o eBook “Cenários e Investimentos para 2013”. Se preferir conversar comigo diretamente, acesse www.orama.com.br e use o espaço “Fale com a Sandra”. Até a próxima.

Foto de freedigitalphotos.net.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários