Olá leitor do Dinheirama, tudo bem? Como andam as resoluções para o ano que se inicia? Esperanças renovadas? O ano começa e muitos ainda querem saber “o segredo” de quem consegue acumular patrimônio ao longo da vida. Sinto desapontá-lo, mas não existe segredo nenhum.

Esforço, disciplina, persistência e resistência à frustração estão entre os principais ingredientes para conseguir alcançar os objetivos que traçamos para nós. Mas, quando o assunto é dinheiro, há uma regra fundamental que, embora óbvia e amplamente divulgada entre “os segredos de quem tem”, é constantemente ignorada.

Essa regra fundamental é: o mais importante não é quanto se ganha, mas como se gasta. Isso quer dizer que as pessoas estão sempre buscando ganhar mais, mas não investem um segundo sequer para gerir suas despesas. Enquanto sonham com aquilo que não tem, deixam de lado aquilo que já conquistaram.

Esse raciocínio do “mais é sempre melhor” leva a um ciclo vicioso sem fim, pois não interessa quão alta seja a renda, sempre serão criados meios de “torrar” tudo e continuar em busca de ganhar mais.

Por isso, as pessoas bem-sucedidas financeiramente são obcecadas pelas despesas, de modo que quando aumentam a renda, a diferença serve para engordar seus investimentos e não para um estilo de vida mais chique. O consumo sempre vem depois da consolidação de seu patrimônio, nunca antes. Ganhe e invista primeiro; gaste depois.

Leitura recomendadaHoje (agora) é a melhor hora para começar a investir

Sei que você já leu alguns textos meus em que insisto que o importante é viver o agora, e não estou voltando atrás disso. Mas, temos que buscar o equilíbrio: é possível viver o agora, afinal é tudo o que temos para viver, mas também é importante provisionar para o futuro.

Sempre ouço perguntas e reclamações de pessoas que vivem sempre como se não houvesse amanhã, gastando mais do que ganham e, assim, não conseguem entender como seus pares prosperam e eles não.

Por isso estou sendo mais incisivo neste texto, para que os gastadores não distorçam o que eu disse e/ou usem meu discurso como incentivo para gastar mais. Se você quiser ter sucesso financeiro, é preciso ser disciplinado com seu orçamento: gastar menos do que ganha e fazer investimentos regulares.

Aliás, seus investimentos devem fazer parte de suas “despesas”; isso quer dizer que você não vai investir “o que sobrar e se sobrar”. Pelo contrário: deve planejar seu orçamento contando com as saídas para seus investimentos, e SE sobrar algo, pode gastar como quiser, inclusive investindo!

Isso significa dizer que na coluna “Despesas”, no meio de coisas como “Conta de luz”, “Condomínio” e etc. vai existir também “Fundo de reserva”, “Fundo de aposentadoria”, “Fundo da faculdade dos filhos” e assim por diante.

Ah, jamais se esqueça: investir sempre é fundamental, mesmo que pouco dinheiro de cada vez. Não idealize quantias e jamais despreze o poder da disciplina e dos juros compostos.  Quanto mais cedo começar, e quanto mais regular for, melhores serão seus resultados.

Quer ser rico? Gaste menos e poupe mais! Como disse Jorge Paulo Lemann, “custo é como unha, tem que cortar sempre”. Não sabe quem é ele? Vale pesquisar, pois quando o assunto é patrimônio, esse senhor é autoridade no assunto. Grande abraço e até a próxima.

Leitura recomendadaPadrão de vida e dinheiro: você gasta mais do que ganha?

Foto “Secret”, Shutterstock.

Renato De Vuono
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários