Desde o final de 2014 muito se falou sobre a caderneta de poupança, em parte pelos constantes boatos sobre um possível confisco e por outro lado em razão da baixa rentabilidade da poupança se comparado com os demais produtos de renda fixa.

O pequeno e médio investidor que sempre encontrou na poupança um porto seguro, agora começa a buscar alternativas que possam entregar melhores resultados e que ao mesmo tempo possam oferecer segurança e facilidade na hora de investir.

Dentro desse cenário os especialistas da Empiricus, parceira de investimentos do Dinheirama, oferecem aos leitores gratuitamente o Relatório “Fuja da Poupança” (Faça seu cadastro e baixe gratuitamente). No relatório, preparado com muito cuidado pelo time de analistas da Empiricus, serão respondidas diversas dúvidas, entre elas:

  • Quem tem aplicação na Poupança está PERDENDO dinheiro neste momento?
  • Há risco real de o governo confiscar a poupança?
  • Quais as melhores alternativas em relação à poupança para se investir?

Caderneta de poupança, popular mais longe de ser a melhor opção

Faça agora mesmo seu cadastro (gratuitamente) e baixe o relatório “Fuja da Poupança”. Tida como o primeiro investimento da maioria absoluta dos brasileiros, a poupança é de longe a aplicação mais popular do país. Na última (e distante) atualização do Banco Central, nada menos que 125 milhões de brasileiros aplicavam na modalidade em meados de 2013 – cerca de 60%, portanto, da população.

Ela deixou de ser até mesmo uma opção para proteger seu patrimônio

O pulo do gato, no entanto, é que já há algum tempo quem opta por investir na caderneta acaba perdendo dinheiro. Com o juro básico brasileiro (Selic) em 12,75% ao ano, tanto faz se sua caderneta de poupança é nova ou anterior à mudança no cálculo de remuneração feita pelo BC em 2012.

A conta é simples: as duas têm um rendimento de 0,5% ao mês, mais a módica variação da Taxa Referencial (calculada e divulgada diariamente pelo BC), o que deixa o retorno acumulado em um ano em pouco mais de 6%.

Isto pode parecer bom para os mais leigos, que não levam em conta o aumento da inflação. Em fevereiro de 2015, por exemplo, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) subiu 1,22%, deixando a inflação oficial do Brasil acumulada nos últimos doze meses em 7,70%. Ou seja, o aumento dos preços no país comeu todo o rendimento da caderneta de poupança, gerando inclusive prejuízo, dado que ela não remunera nem a ponto de preservar o poder de compra do investidor.

Invista com inteligência e informação

Ter ao seu lado as melhores análises na hora de decidir seu futuro financeiro é indispensável. Um simples relatório como o “Fuja da Poupança” (Baixe grátis) pode oferecer ao investidor um caminho com muito mais perspectivas, o conhecimento é sem dúvidas um grande diferencial para o sucesso na gestão do dinheiro.

Os períodos de crise representam a oportunidade exata aguardada por muitos para começar uma guinada importante, muito dos milionários do futuro começam sua trajetória nos momentos de crise onde só a informação de qualidade transforma riscos em rentabilidade, comece agora!

Até a próxima!

Nota: Esta coluna é mantida pela Empiricus que contribui para que os leitores do Dinheirama possam ter acesso a conteúdo gratuito de qualidade.

Foto: Depreciation of the Brazilian peso. Shutterstock.

Parceiro de Conteúdo
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários