Depois de muita especulação finalmente foi confirmada a nova equipe econômica que será a responsável por colocar a economia brasileira novamente no rumo do crescimento e também para resgatar a confiança do mercado do governo que durante o primeiro mandato da Presidente Dilma Rousseff foi abalado por inúmeros erros de avaliação e interferência do governo em empresas e setores importantes.

Joaquim Levy assumirá o Ministério da Fazenda, já o novo ministro do Planejamento será Nelson Barbosa e o Banco Central continuará comandado por Alexandre Tombini.

A nomeação de Joaquim Levy já estava sinalizada desde o final da última semana, setores do PT teceram críticas a escolha da Presidente Dilma, já que Levy em diversos momentos criticou a política econômica do governo e também por sua ligação com Armínio Fraga, principal assessor econômico do ex-candidato à Presidência da República pelo PSDB Aécio Neves.

Primeiras palavras: esforço fiscal

As primeiras palavras do novo ministro da Fazenda foram sobre a necessidade de um ajuste fiscal e corte de gastos. Segundo o novo ministro, o esforço fiscal em 2015 será de 1,2% do PIB (Produto Interno Bruto) e de 2% nos dois anos seguintes.

Alcançar essas metas é fundamental para o aumento da confiança na economia brasileira e para criar as bases para a retomada do crescimento econômico e a consolidação dos avanços sociais dos últimos anos“, afirmou.

A busca pela transparência também será um dos pontos cruciais para o novo ministro, que pregou a necessidade da sociedade ter acesso a dados e que possam avaliar os resultados das contas públicas:

Esse compromisso é indispensável para a redução da incerteza em relação ao objetivo do resultado do setor público e é ingrediente importante para a tomada de risco pelas empresas, trabalhadores e famílias brasileiras.

O tempo dirá

Só o tempo poderá mostrar se a equipe econômica terá a autonomia necessária para dar seguimento as demandas necessárias para que a economia brasileira possa resgatar a confiança dos investidores.  O primeiro passo passa justamente pela melhora nas contas públicas e que o governo gaste menos e de forma mais eficiente.

A luta pelo controle da inflação também será fundamental para garantia de poder de compra da população, nesse ponto o controle de gastos do governo também é fundamental e a nova equipe econômica dá indicações de que compartilha dessa necessidade.

As primeiras impressões da maioria do mercado foram positivas, mas avaliação de todos é da necessidade de muito trabalho e jogo de cintura para que os próximos anos possam representar dias melhores para economia do país.

Um abraço e até a próxima.

Foto: “abstract skyline and Brazil flag illustration“. Shutterstock

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários