Opções: riqueza do instrumento é proporcional à possibilidade de retornoFalar sobre opções é sempre muito interessante – muito disso em função da polêmica que o tema gera. Enquanto para muitos investidores[bb] elas são o instrumento perfeito para obter um lucro que parece ser impossível no mercado à vista, para outros ela é a porta de entrada para a ruína financeira e deve ser evitada a qualquer custo.

Verdades, boatos e discussões à parte, é importante que você tenha consciência que, sim, operar opções pode ser muito perigoso – mas somente se você o fizer sem estar preparado. Com isso, quero dizer que você precisa dominar técnicas e conhecer as peculiaridades de cada opção. Somente assim terá uma experiência positiva em seus trades.

Justamente pela complexidade do instrumento, hoje minha intenção não é ensinar você a operá-lo, mas apresentar um caminho para que possa começar a pensar em dar um upgrade em seus investimentos no caso de trabalhar somente com o mercado à vista. Caso já opere opções, poderá aprender alguma lição com os erros que irei apresentar e, quem sabe, aperfeiçoar suas técnicas.

Um dos erros mais comuns que percebo é que o investidor muitas vezes não sabe qual opção operar. A variedade é grande e cada uma possui uma característica própria. Daí a importância de conhecer as peculiaridades do instrumento e, mais do que isso, saber qual é o seu objetivo com o investimento.

Às vezes vejo o investidor fazer day trade com um tipo de opção que está “fora do dinheiro” (no jargão do mercado[bb]). Ou seja, seu preço está muito distante do preço do papel à vista. Com isso, a probabilidade de ele se dar muito mal com a operação é monstruosa. Isso acontece e é apenas um dos vários erros que percebo.

Uma pergunta que me fazem com freqüência é: “Qual opção eu devo comprar?” A resposta é muito simples: depende! Depende do que você está objetivando com a operação. Por exemplo, se você pretende fazer uma trava de alta, deve buscar a opção que está “fora do dinheiro”. Se a intenção for fazer uma trava de baixa, o movimento deve ser oposto. Por fim, se a ideia for fazer uma operação a seco, a melhor saída é pegar uma opção com delta-gama maior.

Peço desculpas se você não sabe o que significa um delta-gama, mas o linguajar técnico que cerca as opções é muito extenso. As gregas são apenas um dos vários tópicos que é preciso aprender para operar com sucesso. E, acredite, não serão algumas linhas de texto que te tornarão apto a aprendê-las.

Para resumir tudo isso, entenda que as opções são complexas e não adianta tentar simplificá-las. É preciso entender o mecanismo que está por trás do instrumento e saber como ele funciona. E para fazer isso não existe alternativa senão procurar se especializar lendo livros e buscando cursos que foquem em prática operacional.

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários