Dinheirama e o Meio Ambiente!Segundo o poeta Vinicius de Morais, mais importante do que ser feliz é viver. Nossa vida é composta de momentos de bonança e outros de maiores dificuldades. Muitas vezes a escassez de oportunidades traz à tona problemas pessoais e financeiros. É no bolso, aliás, que quase todos os problemas começam e terminam. Assim, exercitar o papel do dinheiro[bb] e saber o que podemos esperar dele se tornam atitudes cada vez mais necessárias.

Momento de lembranças
Alguns anos atrás trabalhei em um grande banco de investimentos que, durante muito tempo, foi cultuado e ainda hoje é visto como um dos maiores expoentes da nova realidade do mercado financeiro brasileiro. Por um bom tempo, os resultados foram fantásticos e no mesmo ritmo viamos os rendimentos dos funcionários subirem. Nem todos sabiam lidar com essa realidade.

Lembro bem que um assistente administrativo recebeu, durante um determinado ano, R$ 30 mil como participação nos resultados. Imaginem esse valor caindo, de uma vez, em sua conta. A verdade é que nem sempre estamos preparados para lidar com isso. Eu, naquela época em início de carreira, não estava. É bem verdade que minha participação foi muito menor, mas torrei a grana comprando um aparelho celular. Blah!

Quando ficou definido o valor destinado para distribuição aos funcionários, o banco convocou toda a equipe para uma conversa. O objetivo dos gestores era orientar seus colaboradores para que investissem o dinheiro. Em outras palavras, estavam tentando convencer seu pessoal a não desperdiçar toda a grana.

Menos de uma semana depois, em uma breve caminhada pelo estacionamento do prédio, percebi que quase todo mundo estava de carro novo. Segundo a filosofia do livro Pai Rico Pai Pobre[bb], um típico “investimento em passivos”. Algo que, no fundo, los leva através de mais dívidas.

Aprendendo com o erro
Lembre-se que estou falando de gente inteligente, com sólida formação. Todo mundo correu e gastou o dinheiro, sem pensar, nem por um minuto, no depois, no amanhã. A vida é feita de muitas oportunidades, precisamos aprender a agarrá-las. A análise desse episódio foi muito importante para minha formação e busca pela mudança.

Depois desse episódio, tivemos sérios problemas no banco. A crise de 1997-1998, que começou na Ásia e Rússia e derrubou a economia dos mercados emergentes, fez o banco perder, em uma tarde, tudo que havia ganho em um ano. A partir daí, o banco precisou se reestruturar e acabou sendo vendido para uma instituição internacional. A forma de bonificação mudou, trazendo inquietude e ocasionando saída de funcionários. Uma boa oportunidade havia passado.

Faça as coisas hoje, agora!
Hoje percebo que existe uma grande diferença entre o que queremos e o que de fato precisamos. Lidar com dinheiro é talvez tão ou mais difícil do que lidar com a falta dele. Aprendi a não desperdiçar mais oportunidades como aquela, a invistir no futuro, organizar e viver e uma estratégia vencedora[bb], acreditar em meu potencial.

Alguns amigos se afundaram em dívidas e acabaram tendo que vender seus carrões com grande desvalorização, de qualquer jeito. Péssimo negócio.

Pense na quantidade de oportunidades que são desperdiçadas diariamente. Coisas simlpes podem representar o seu sucesso ou seu fracasso. O amanhã é a principal desculpa do preguiçoso, momento que me faz lembrar do livro Tudo ou Nada, com resenha já publicada aqui no Dinheirama. Chega de esperar, sua vida merece maior compromisso.

Nem só de matemática vivemos. Sonhar é preciso. Muita gente, quando atinge o sucesso, acaba se acomodando e deixando certos prazeres para trás. Será que um único sonho não é pouco demais para uma vida que a cada ano se torna mais longa?

Está certo, seu sonho é ficar milionário. Você há de concordar que isso já foi mais difícil. Hoje, com comprometimento, disciplina e criatividade, as possibilidades são maiores. Mas o que vem depois? O seu futuro começa agora e decidir dar o segundo passo é tão importante quando dar o primeiro. Parafraseando Roberto Shinyashiki[bb], desistir de mudar é mais fácil que decidir mudar.

Faça as coisas com mais paixão. Não adianta querer investir em ações se quando abre um jornal sua leitura se resume ao horóscopo e ao caderno de esportes. Já passa da hora de aceitarmos que, para conseguirmos sucesso na vida, não basta disposição. Vá além.

Quantos projetos atenderam à expectativa, mas deixaram em você a sensação de que faltava alguma coisa? Esse sentimento de “mais ou menos” compromete seu futuro, seu sucesso. Procure superar suas próprias expectativas, mais que as dos outros. Sempre.

Termino esse artigo com uma frase de uma música de forte representação, escrita por Geraldo Vandré, que se encaixa como uma luva nesse momento:

“Vem vamos embora, que esperar não é saber. Quem sabe faz a hora, não espera acontecer”

Convido-o para uma reflexão: estamos ou não respondendo, sabiamente, aos maravilhosos chamados da vida e suas oportunidades? Do “bom dia” ao dinheiro aplicado, sempre há algo que podemos fazer de forma mais sincera e produtiva. Aproveite bem seu tempo livre e bom final de semana.

——
Ricardo Pereira é Analista Financeiro Sênior da ABET Corretora de Seguros, trabalhou no Banco de Investimentos Credit Suisse First Boston e edita a seção de Economia do Dinheirama.
Quem é Ricardo Pereira?
Leia todos os artigos escritos por Ricardo

Crédito da foto para Marcio Eugenio.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários