Orçamento doméstico familiar como fator de sucessoPatrícia comenta: “Navarro, aos poucos estou me habituando com a necessidade e importância de usar o orçamento doméstico (por enquanto em papel) para guiar as decisões da família. Ainda tenho dificuldade de vê-lo como um aliado – a impressão é a de que ele não nos permite aproveitar o que ganhamos, gerando uma sensação de angústia. Isso é normal? Obrigada”.

Não há como negar que o orçamento doméstico ainda é uma ferramenta mal utilizada e, principalmente, pouco compreendida. Para muitos, controlar as finanças tem um quê de masoquismo (olhar com cuidado para os gastos soa como frear a “beleza” do estilo de vida “aqui agora”), enquanto para outros torna a vida muito difícil porque a resume a economizar cada vez mais (o indivíduo não relaxa e só pensa em não gastar).

Cuidar do dinheiro é importante?

Os extremos usados nesta introdução são importantes para notarmos como o cuidado com o dinheiro é tarefa universal, necessária tanto para quem ganha pouco, quanto para quem ganha muito. O papel do controle financeiro será sempre diagnosticar a real situação financeira familiar.

Pergunte por ai e preste atenção: o orçamento doméstico é importante e são poucas as pessoas que discordam desta afirmação. Ou seja, ele é apontado por muitos como algo relevante, mas, o tabu em relação ao controle financeiro ainda o coloca como uma fonte de ansiedade e angústia.

O problema? Tendemos a culpar a ferramenta, quando são nossos comportamentos e decisões (ou falta delas) que tornam o uso do orçamento algo penoso e com poucos resultados. Volto a insistir que finanças pessoais não é um tema ligado à matemática ou às finanças como disciplinas, mas sim uma questão humana.

Como tornar o orçamento doméstico um fator de sucesso?

Ao olhar a educação financeira como um processo ligado ao ser humano e suas escolhas, acredito que as razões que nos impedem de aproveitar o orçamento como uma ferramenta são intimamente ligadas ao nosso falho sistema de prioridades e à nossa ingênua relação com o consumo.

Depois de atender a inúmeras famílias e indivíduos, identifiquei quatro atitudes capazes de tornar o controle financeiro mais atraente e aderente aos propósitos familiares de enriquecimento. Acompanhe.

1. Não use o orçamento como “muleta”

É muito comum notar famílias que admitem usar algum tipo de ferramenta para gerenciar suas finanças, muito embora seus resultados não surpreendam positivamente. Conheço muita gente que enche o peito e diz “Eu tenho e uso uma planilha para controlar minhas despesas”.

Falta a humildade para reconhecer que se existe a ferramenta, ela está sendo mal utilizada ou que ela está servindo como uma “muleta”. Ora, falar para os outros que cuida do seu dinheiro, mas ainda assim viver “pendurado” e cheio de dívidas é agir de forma hipócrita. Desculpe apontar isso assim, sem rodeios, mas é preciso que sejamos realistas.

Na prática, o que vejo são planilhas incompletas, bagunçadas e preguiçosas. Gastos não anotados de forma completa (adianta categorizar gastos como “Diversos” ou “Outros?”) e longos períodos sem atualização costumam ser os erros mais frequentes.

Atitude desejada: atualize seu orçamento doméstico pelo menos uma vez a cada 15 dias e categorize os gastos de forma que eles façam sentido.

2. Defina objetivos plausíveis

Outra reação bastante usual no relacionamento com o orçamento familiar decorre da demora em ver resultados. Acontece que a estratégia de gerenciar as finanças só vai funcionar se a ela forem associados objetivos claros, devidamente precificados e alocados de forma temporal (curto, médio e longo prazo).

Gosto de um exemplo simples, de uma família que tinha o desejo de viajar durante uma semana para fora do Brasil. Nunca havia dinheiro para isso. Analisando o orçamento familiar, percebemos um exagero nas despesas de lazer.

Depois de muito conversar, perguntei: “Por quê economizar ou rever os gastos com lazer?”. Olhando a planilha e consultando os filhos, a mãe respondeu: “Para poupar durante 12 meses o suficiente para realizarmos nossa viagem”. O desejo foi transformado em meta. Vocês podem imaginar a alegria dessa família depois da viagem?

Atitude desejada: quebrar sonhos ou desejos de consumo abstratos (ou grandes demais) em objetivos plausíveis, mantendo sempre alguns deles no curto prazo – para que possam ser comemorados e alimentem os demais.

3. Associe a disciplina a áreas não relacionadas ao dinheiro

Lidar com nosso dinheiro envolve decisões e emoções enraizadas e construídas a partir de experiências pessoais e familiares, o que torna a mudança e a criação de novos hábitos passos desejáveis, mas nem sempre simples de tirar do papel. Concordo que o peso cultural é grande.

A disciplina é uma característica necessária para que o orçamento doméstico seja eficiente e cumpra seu papel, certo? E se a associarmos com hábitos de diferentes áreas, como a saúde ou a prática de exercícios, por exemplo? Funciona? Sim! Realizar atividades interessantes de forma constante gerará resultados. Estes resultados manterão a motivação.

Atitude desejada: comece a praticar exercícios físicos de forma regular e monitorada. Associe a disciplina do processo à necessidade de aproveitá-la em outras esferas de sua vida pessoal (aqui cabe o orçamento doméstico).

4. Construa o seu orçamento doméstico

A esta altura, torço para que você esteja com vontade de voltar a anotar suas receitas e despesas, avaliar suas decisões de consumo e questionar mais sua vida financeira. “Que ferramenta vou usar para isso, Navarro?”, você pergunta. É imperativo que você experimente as opções disponíveis e construa a sua ferramenta ideal.

Nós oferecemos uma ferramenta online completamente gratuita – clique e conheça www.dinheiramaonline.com.br –, bem como planilhas de orçamento doméstico, mas somos uma dentre as muitas alternativas. O que não é legal é esconder-se na desculpa “Nenhuma das ferramentas deu certo comigo” e seguir deixando o controle financeiro de lado.

Atitude desejada: use diversas versões de planilhas, faça um test drive nas ferramentas online e adapte o que conseguir para que a ferramenta faça sentido para sua família.

Conclusões

Converse com as pessoas bem-sucedidas que você admira e leia sobre grandes personalidades. Duas situações serão comuns nas histórias contadas: eles erraram em algum momento porque negligenciaram a importância do orçamento doméstico; e eles foram humildes para reconhecer o erro e trabalhar para corrigi-lo, passando a usar ferramentas de controle financeiro de forma frequente.

Portanto, a pergunta certa não é “Qual é a melhor maneira de controlar meu dinheiro?”, mas sim “Quem é responsável por fazer isso?”. Repare que as respostas para estas dúvidas são bem diferentes. Na primeira, o foco é na ferramenta, no que os outros oferecem para resolver um problema que seu; na segunda, o foco é no comportamento e no responsável – você precisa fazer alguma coisa.

Se estiver “travado”, simplesmente comece. E insista. Anote tudo, rabisque, classifique, passe de uma planilha pra outra, experimente um software, peça ajuda, recomece. Faça tudo de novo. Aceite que isso é relevante e faça alguma coisa. Faça.

Se você já usa e vivencia algum ensinamento sobre orçamento financeiro que faz sentido em sua vida, por favor compartilhe suas lições conosco no espaço de comentários. Até a próxima.

Foto de freedigitalphotos.net.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários