Roberto pergunta: “Navarro, estou adorando seu blog e seus comentários. Eu tenho um pouco de dificuldade em identificar e me controlar no que se refere ao dia-a-dia e orçamento mensal. Sei da importância disso mas não sei por onde começar. Preciso de uma luz. Pode me ajudar?”

Oi Roberto. Obrigado pelo incentivo e pelas palavras sobre o blog. E obrigado por preocupar-se com seu orçamento e com seu dinheiro. O primeiro passo você já deu e agora precisa apenas motivar-se a gerenciar seu fluxo de caixa (sim, no começo é um pouco chato) e então desenvolver disciplina suficiente para sempre analisá-lo e, principalmente, respeitá-lo.

Creio que aqui cabe uma explicação sucinta sobre despesas e receitas. Temos a falsa impressão de que sabemos exatamente para onde nosso dinheiro está indo, e isso é muito perigoso. Para facilitar este trabalho, procure olhar suas despesas como sendo fixas ou variáveis. Como exemplo, um aluguel é uma despesa fixa. Um curso de curta duração é uma despesa variável. Aqui vale uma dica: procure sempre reduzir suas despesas fixas, além de sempre mover um custo desta categoria para as despesas variáveis. E depois, analise se ela é realmente necessária.

A idéia é deixar seu orçamento enxuto e a primeira tarefa é classificar suas despesas, como dito acima. E depois disso você precisa mensurar, em termos percentuais, como estão suas despesas. Ou seja, quanto de sua receita você gasta com habitação? Quanto para transporte? E assim por diante. Seguem algumas idéias para sua classificação:

  • Habitação: aluguel, condomínio, água, luz, gás, limpeza doméstica, financiamento da casa própria etc.
  • Saúde: consulta médica, plano de saúde, dentista, farmácia etc
  • Alimentação: padaria, supermercado etc
  • Lazer: viagens, bares, férias, hobbies, cinema etc
  • Despesas pessoais: roupas, telefone celular, academia, presentes etc
  • Despesas financeiras: taxas de banco, juros etc
  • Impostos: IR e CPMF
  • Poupança: quantia que você deve guardar e reinvestir mensalmente. Encare-a como uma despesa, assim como a coloquei. É a sua garantia de um futuro melhor, acredite!

Agora você deve estar se perguntando sobre qual seria a porcentagem ideal de gastos com cada uma destas categorias, certo? Não existe um consenso ou regra que funcione para todos, mas uma coisa você deve ter em mente: o percentual de poupança (dinheiro guardado ou reinvestido) deve estar entre 10% e 30% de sua receita líquida total. Sempre.

Com isso creio que já tenha uma melhor noção de como organizar-se no dia-a-dia. Ainda é importante lembrar que seus gastos devem ser anotados sistematicamente e classificados dentro das categorias que você criou. E entre estas categorias nunca deve ser usada a palavra “Outros”. Seus gastos precisam ser encaixados dentro de categorias que tenham significado. Organize suas despesas, seja em papel ou planilha, e vai perceber claramente onde está o gargalo. As ferramentas você já tem. Abaixo deixo um modelo de controle de despesas, apenas como demonstração:

Modelo de Orçamento

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários