A chegada do primeiro filho é repleta de muita alegria, expectativas, euforia e ansiedade, tanto para os pais como para toda família. Além da felicidade vivida pelo casal, essa é uma hora também de preocupação com os novos gastos que passarão a acompanhar o crescimento da família.

O casal precisa se organizar e planejar as despesas a partir da gravidez e da chegada do bebê para evitar surpresas com gastos que comprometam a saúde financeira da família. Com um pouco de planejamento e atenção é possível ultrapassar esse período conturbado sem que o sonho de ter um filho se torne um grande problema financeiro.

Acompanhe algumas dicas que preparamos:

1. Descreva todas as suas receitas e despesas: faça um diagnóstico da situação financeira atual da família e faça uma simulação com os novos números (gastos com bebê pré e pós nascimento). Conversar com alguns amigos que já passaram por esse momento pode ajudar o casal a ter uma ideia dos gastos que estão por vir. Comece usando nossa planilha gratuita de controle financeiro (clique aqui para download);

2. Detalhe as despesas pré-nascimento: montagem do quarto, pagamento do parto (em caso de hospital particular), primeiras roupinhas, acessórios de higiene/banho e por aí vai. Negocie junto às lojas para conseguir descontos e não seja compulsivo(a)! Compre apenas o que o bolso permite! Lembre-se que as crianças crescem rapidamente e muitos itens comprados em excesso acabam se perdendo;

3. Organize chá de fraldas e peça somente fraldas: esse item é um dos que mais irá pesar no orçamento familiar. Acompanhe um simples cálculo: um bebê usa, em média, 4.500 fraldas nos primeiros dois anos de vida. Cada fralda custa por volta de R$ 1,00. Portanto, ao longo de 2 anos, serão gastos aproximadamente de R$ 4.500,00 só com fraldas. O chá de fraldas pode aliviar muito o gasto com esse item. No convite para cada convidado, especifique tamanhos variados para você ter um estoque preparado para diferentes fases. Perceba que o valor usado neste exemplo é apenas uma média, dependendo do bolso e disposição dos pais, os valores podem variar (existem fraldas mais baratas e outras mais caras);

4. Estabeleça um orçamento para gastos mensais com o bebê: é importante calcular os gastos que farão parte do dia a dia do após o nascimento do bebê. Despesas com médico ou plano de saúde, vacinas, fraldas, farmácia, alimentação, roupas, babá ou creche e etc. Analise se essas despesas cabem no orçamento familiar sem nenhum aperto ou se serão necessárias mudanças de hábitos de consumo do casal e redução nos gastos da casa;

5. Coloque na ponta do lápis os gastos com o chá de bebê: esse é um item que pode gerar algum atrito entre o casal. Dependendo do tamanho da festa, os gastos vão superar e muito o que se gastaria comprando os itens do enxoval. Os futuros pais precisam criar alternativas para baratear a festa e seguir o limite de gastos da família;

6. Invista no plano de saúde: caso a família ainda não tenha plano de saúde, é importante reconsiderar esse ponto com a chegada do bebê, afinal os gastos com visitas ao médico para acompanhamento mensal e vacinas são expressivos nos primeiros anos de vida;

7. Considere não fazer festa de um ano: a festa de primeiro aniversário é um evento muito mais para a família, afinal a criança ainda é muito pequena, muitas vezes nem anda direito e não vai curtir esse momento. Além disso, o casal pode ainda estar se recuperando do primeiro de ano de gastos com o filho. Se for o caso, faça algo mais reservado e menos custoso;

8. Guarde dinheiro para o futuro da criança: não é crime pensar no futuro do seu filho e começar desde cedo a preparar as finanças para garantir um amanhã mais tranquilo. Atualmente, existem diversos produtos financeiros que podem ajudar os pais a chegar lá. Ainda assim, vale um lembrete importante: além de cuidar do futuro dos filhos, é fundamental também preparar sua própria caminhada, afinal pais que dependam exclusivamente das finanças dos filhos quando chegam na velhice acabam comprometendo o futuro de todos.

Ao longo dos anos, preparamos alguns artigos bem interessantes sobre o futuro financeiro de pais e filhos, acompanhe:

Conclusão

A chegada do primeiro filho é uma situação especial. A vontade de oferecer tudo de melhor é grande e o emocional pode acabar facilitando os gastos sem planejamento e, consequentemente, problemas financeiros bem complicados.

Seja firme em seus propósitos, aceitando que manter o controle financeiro e gastar de forma consciente são (e sempre serão) o melhor exemplo que você deixará para o seu filho em termos de educação financeira.

Descubra (e pratique) que falar de dinheiro em casa, mantendo um diálogo franco desde sempre, fará toda a diferença rumo a uma vida equilibrada e com foco nas realizações. Educação financeira desde o berço, você pode (deve) praticá-la. Até a próxima!

Foto “Newborn”, Shutterstock.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários