Os desafios da Selic em 10,25% ao anoOs juros da taxa básica de juros, conhecida como Selic, caíram um ponto percentual ontem, em decisão do Copom (Comitê de Política Monetária). A taxa Selic passa agora para 10,25% ao ano.  A verdade é que o corte já era esperado pela grande maioria dos analistas e economistas, que inclusive já projetavam a queda no ranking de juros reais – agora o Brasil não é mais o líder neste bizarro quesito.

O que de fato mudará com o corte atual da Selic?
A primeira grande verdade que ficará evidente é que a economia real demorará ao menos alguns meses para notar o efeito do corte. O efeito instantâneo e mais positivo se dá pelo efeito moral e a queda no patamar dos juros cobrados no crédito ao consumidor. Juros baixos representam crédito mais barato, o que leva os consumidores as lojas e faz a economia[bb] girar. E é exatamente esta a intenção. Em suma, o consumidor terá acesso ao crédito ligeiramente mais barato, assim como as empresas.

10,25%: Menor taxa da história
A preocupação do governo em viver um período de PIB negativo a pouco mais de um ano das eleições também parece influenciar positivamente para a queda da taxa Selic, o que, de quebra, passa a impressão de um viés mais desenvolvimentista por parte dos financistas de carteirinha que formam a direção do Banco Central. Pensar o crescimento do país oferecendo condições mais baratas de transferência de capital é importante, mas a tendência precisa ser mantida.

É bem verdade que os tempos são outros se comparados ao longo dos quase sete anos desse governo; e, justamente por isso, os cortes são tidos como única saída para uma economia que tenta se manter aquecida. A figura abaixo traz um resumo da evolução da taxa Selic ao longo dos últimos anos:

Evolução da taxa Selic

Dados de desemprego também reforçam a convicção de toda a sociedade na necessidade de uma economia mais dinâmica e com juros “humanizados”. Afinal, pensar a economia voltando-se para a população é ato comum em épocas de crise e não existe nada mais desumano do que o desemprego e o mundo sem expectativas de recuperação no curto prazo.

Preocupação real com a rentabilidade dos investimentos e inflação
A taxa básica caindo faz com que os investimentos[bb] atrelados ao CDI tenham também uma perda de rentabilidade. O retorno mais baixo também será característica do Tesouro Direto. Essa queda pode representar a necessidade de modificações na caderneta de poupança, que passará nesse contexto a ser ainda mais atraente se comparada à renda fixa e fundos de investimento conservadores com taxas de administração maiores que 1%.

Juros menores também são reflexos de uma inflação controlada. A expectativa de retomada da inflação um ano atrás levou ao último grande repique de alta nos juros (veja o gráfico). Naquela época, a preocupação de que os países em desenvolvimento tinham levado mais pessoas à mesa, de certa forma diminuindo a oferta de alimentos, transformou o país em uma bomba relógio de preços altos – e ai aumentou-se de tudo: juros, commodities etc. Hoje, passado um ano, a inflação alta parece “brincadeira” perto dos problemas causados pela recessão mundial.

Próximo desafio: crescimento econômico
Com o inicio da crise, a maioria dos países buscou opções para a recessão e ao desemprego. Muitos, sem sucesso (leia-se países ricos). O revés deveu-se justamente ao grau de envolvimento de suas grandes empresas de capital, bancos e todo um sistema financeiro sem regulação e pudores.

Mesmo agindo com trilhões de dólares para oxigenar a economia, a crise se manteve e a recessão não deu trégua. Aqui, ficamos parados esperando a “marolinha” e, quando nos demos conta, fomos acordados por um tsunami de proporções históricas. Não trata-se de desmoralizar o governo, mas de pensar sua atuação.

  • Por que nossas autoridades monetárias demoraram tanto tempo para tomar medidas que realmente trazem impacto real na cadeia produtiva?
  • Por que mantiveram os juros básicos tão altos, e por tanto tempo?

Certamente, hoje é possível perceber que a possibilidade de crescimento negativo e o desemprego poderiam ter sido muito mais amenizados. Sem falar em um dos principais desafios[bb] para o governo, a redução do abusivo spread bancário. Mas, economia não é fácil; complicá-la, no entanto, parece ser. Decisões que parecem simples depois, nem sempre o são quando é hora de levá-las adiante. Enfim, que os juros baixos venham para ficar!

——
Ricardo Pereira
é educador financeiro e palestrante, trabalhou no Banco de Investimentos Credit Suisse First Boston e edita a seção de Economia do Dinheirama.

Quem é Ricardo Pereira?
Leia todos os artigos escritos por Ricardo

Crédito da foto para stock.xchng.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários