Os dois lados das histórias de empreendedorismoEmbora a gente imagine o contrário, lidar com o excesso de histórias superficiais de empreendedores de sucesso, como Steve Jobs[bb], Michael Dell, Warren Buffett[bb] etc. pode dificultar no momento em que estamos começando o nosso negócio. Por quê? Na grande maioria das vezes, elas são regadas de romantismo. A impressão que fica é a de que o sucesso aconteceu da noite para o dia, que o empresário é um semideus.

Parece que estas figuras nasceram com conhecimentos fundamentais sobre vendas e sobre negócios, fazendo tudo parecer muito fácil e que você, simples mortal, dificilmente conseguirá chegar ao mesmo patamar que ele. Ou pior, fará você acreditar que será possível alcançar o sucesso rapidamente, com o mínimo de esforço, pois parece ter sido assim que o seu ídolo do mundo dos negócios o fez.

A Revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios (Globo) trouxe, na edição de Abril, uma matéria de capa fantástica, intitulada “O verdadeiro caminho do sucesso”, onde aborda pontos importantes da verdadeira história de alguns dos empreendedores mais famosos. A reportagem desmistifica vários mitos sobre empreendedorismo, fazendo inúmeras citações aos livros “The Ilusions of Entrepreneurship”, de Scott Shane e “From Predators to Icons”, de Michel Villete e Catherine Vuillermot.

Logo no inicio da reportagem, foram apresentadas sete imagens que frequentemente sofrem distorções e logo em seguida são apresentadas as seguintes verdades entre parênteses:

  1. Imagem romântica: empreendedor nasce empreendedor. Verdade: o que determina o sucesso não é a genética, e sim o ambiente e o esforço individual;
  2. Imagem romântica: não é preciso educação nem experiência para montar um negócio. Verdade: empresários sem bagagem são os que mais dão errado;
  3. Imagem romântica: o empreendedor age sozinho. Verdade: mas quanto melhor a rede de contatos, maiores as chances de sucesso;
  4. Imagem romântica: empreender é arriscar. Verdade: quem vai longe sabe da importância de calcular e minimizar os riscos;
  5. Imagem romântica: empreender é ficar livre. Verdade: na realidade, trabalha-se muitas vezes mais e é preciso dar satisfação a fornecedores, funcionário, clientes etc.;
  6. Imagem romântica: é preciso uma ideia genial para abrir uma empresa. Verdade: a maioria dos negócios é trivial;
  7. Imagem romântica: todo empreendedor é rico. Verdade: normalmente, o retorno sobre o investimento inicial demora a acontecer.

Li esta reportagem atentamente e a grifei em vários momentos. Ela expressa a verdade e para empreender é disso que precisamos. Uma boa dose de realidade! Não pense em nerds que criaram o Google, nem em super engenheiros que criaram o iPod e como sua empresa seria demais se você tivesse criado algo assim, se você tivesse dinheiro para investir em propaganda, se… Ah, e se… Pense em você e no que precisa fazer para garantir o seu sucesso[bb] e, principalmente, o faturamento de amanhã, a sustentabilidade do negócio.

Sim, recomendamos, aqui no Dinheirama, que você leia cada vez mais sobre como grandes ideias saíram do papel e viraram sucesso. Aliás, existem ótimos livros sobre isso. Mas, estude a fundo, descubra o porquê desse triunfo realmente ter acontecido e ai então você terá aprendido algo. Não fique apenas maravilhado querendo ser um deles. Vamos lá, bola pra frente! Este é o seu mundo, a sua realidade. Aceite-o e conforme-se. Ou não, transforme-o, afinal você sabe que isso é possível. Empreender, com certeza, é a melhor opção.

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários