Home Colunistas Os índices americanos são imbatíveis e eu te digo o que pode freá-los

Os índices americanos são imbatíveis e eu te digo o que pode freá-los

O mercado vem de muito otimismo após o último FOMC e a fala de Powell em 2023, onde ele confirmou que as taxas haviam atingido o pico

por Gabriel Fauth
0 comentário
(Imagem: Reprodução/REUTERS/Brendan McDermid/File Photo)

IA e a Nvidia (NVDA; NVDC34)? Sim, com certeza isso também é um fator importante para continuar aumentando os resultados dos índices-chave: S&P 500 (SPX), Dow Jones (US30) e seus compostos, e Nasdaq (IXIC) e seus compostos. Mas isso é uma história paralela na qual o mercado está focando MUITO neste momento.

Mas não podemos ignorar os dados que temos visto no calendário econômico ultimamente. Fazendo uma breve recapitulação, o mercado vem de muito otimismo após o último FOMC e a fala de Powell em 2023, onde ele confirmou que as taxas haviam atingido o pico e agora só faltava confirmar quando os cortes começariam, esse evento foi chamado de FED pivot.

Após isso, o mercado assumiu muito risco e elevou a taxa do T10, precificando que já na segunda reunião de 2024 já teríamos os primeiros cortes de 0,25% na taxa, e projetando novos cortes adiante, um em cada reunião, reduzindo o juro em 1,50% este ano — algo que hoje se mostra uma insanidade.

Por que é insanidade cortar 1,5% do juro em 2024?

O juro está alto para fazer a inflação convergir para a meta de 2%, inflação esta que claramente arrefeceu muito em 2023, dando um extremo otimismo ao mercado. A última leitura do CPI, em fevereiro, mostrou uma aceleração inesperada fora da sazonalidade de dezembro (leitura de janeiro), mostrando que a inflação pode estar encontrando seu piso quase 1% acima da meta. De maneira prática, o FED só precisa manter o juro no nível atual por mais tempo, mas isso pode causar problemas…

Por que manter o juro alto causa problemas?

O juro alto serve para desacelerar a economia, fazer com que fique caro buscar empréstimo e reinvestir nos negócios das empresas; a indústria produz menos e a sociedade consome menos, e consequentemente o desemprego aumenta. O ciclo econômico é muito claro: emprego gera > renda que gera > consumo que gera > inflação. E é aqui que está o pulo do gato.

Qual é o pulo do gato?

O emprego não está cedendo, e os PMIs vêm mostrando diminuição da contração e aumento da atividade, além da confiança do consumidor estar subindo, os salários acompanham, e o desemprego cai. E esse cenário reflete o PIB forte dos EUA no ano passado. Tudo isso é inflacionário, sim! MAS estamos vendo a inflação caindo, o que é muito incrível.

O otimismo do FED de estar próximo a combater uma crise inflacionária sem parar (provocar uma recessão) está à vista no final do túnel e é isso que faz o mercado americano estar performando da forma que está, o que o mercado vem chamando de “Soft Landing”. Mas a vida, a vida é uma caixinha de surpresas.

Qual é a surpresa?

Se os dados de inflação encontrarem um piso 1% acima da meta, ou pior, voltarem a subir, o FED terá que recalcular a rota. O pior cenário e o menos provável agora é o aumento de juros, mas o cenário atual e factível vem sendo de “Higher for Longer”, já ouviu isso? Então, o risco de manter o juro alto por mais tempo é perder o pivot de corte e acabar afundando a economia em uma recessão.

Só que tudo isso, meu amigo, tudo isso só vai entrar no preço quando estiver no horizonte, ou melhor, quando o calendário econômico trouxer dados ruins; por enquanto, o mercado está interessado em surfar na IA e na NVIDIA.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Mail Dinheirama

Faça parte da nossa rede “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2023 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.