Os principais erros de um investidor iniciante em ações Quem começa a operar no mercado de ações costuma cometer certos erros. Explicados principalmente pela psicologia econômica, esses erros necessitam ser identificados e controlados, para que se consigam resultados positivos e constantes. Os principais erros são:

1. Pressa nas operações: muitos investidores aplicam todo o capital em ações e acabam pagando o pedágio do aprendizado com as perdas iniciais. Existem simuladores que proporcionam experiência ao investidor[bb] sem tais perdas iniciais. Em seguida, é recomendável um aumento gradual da exposição em ações;

2. Falta de humildade: o operador lê dois livros de análise gráfica e acha que já sabe tudo;

3. Excesso de otimismo: o iniciante considera que, com toda a certeza, a operação será lucrativa;

4. Falta de disciplina: contagiado pelo excesso de otimismo e vencido pelo fator emocional, o investidor não utiliza o stop (parada). Fica com a sensação – que logo vira uma crença – de que a perda não será tão extensa e que a alta continuará por algum tempo;

5. Sem metodologia: mudanças constantes na forma de operar e dos indicadores utilizados. O investidor não define um setup;

6. Informações em excesso: o investidor procura ter conhecimento de todos os dados disponíveis, de todos os mercados e áreas da economia. Tudo isso só serve para gerar confusão;

7. Viés de confirmação: com acesso a muitas informações, o investidor[bb] tende a apenas reconhecer as informações que estariam de acordo com seu entendimento. Por exemplo, em posse de ação em forte tendência de baixa e que apresente a ele alto prejuízos. Ao verificar as notícias de tal empresa, ele pode acessar dez notícias ruins, mas ao ler apenas uma relativamente boa irá vibrar de alegria e acreditar que a empresa irá recuperar-se e que sua análise anterior foi excelente;

8. Compra na alta: atraído pela euforia do mercado a compra é efetuada, sem qualquer análise bem feita. A análise gráfica, por exemplo, poderia alertar que a ação já estaria para entrar em momento de reversão;

9. Vende na baixa: apenas após consecutivas quedas, e contagiado pelo pânico, a venda com grande prejuízo é realizada. Ou seja, acontece justamente momento de uma reversão para uma alta, já que nesse momento esgotaram-se os vendedores;

10. Ganância: atraído pela ganância, o investidor assume maiores riscos em operações extremamente alavancadas, como no mercado a termo e de opções[bb], e poderá perder tudo e até mesmo ficar extremamente endividado.

O investidor que deseja obter lucros significativos e constantes e apenas pequenos prejuízos esporádicos, necessita de certo período de aprendizado (através de livros e cursos com professores certificados pelo CNPI), além de definir e respeitar sua metodologia, operar de acordo com apenas o que vê nos gráficos (caso da análise baseada em gráficos) e aplicar a máxima da análise técnica[bb] – maximizar o lucro e minimizar o prejuízo. Para tal será preciso localizar, através dos gráficos e experiência, os melhores pontos de entrada e saída.

Disponibilizarei em breve alguns vídeos sobre a análise gráfica de ações no www.analisetecnicaacoes.com.br. Se você se interessa pelo mercado de ações e análise técnica, dê uma passada por lá e fique atento aos novos artigos exclusivos que serão publicados no Dinheirama. Até a próxima.

Crédito da foto para stock.xchng.

Leandro Martins
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários