Nas últimas semanas estivemos lendo um livro muito interessante que bem poderia se enquadrar naquela categoria de “leituras obrigatórias”. Aliás, essa expressão é normalmente utilizada quando identificamos um conteúdo que tem impacto positivo para a maioria das pessoas, que é o caso deste livro. Vamos então a uma “pitada” do conteúdo.

A crise e a doutrina do choque

Você conhece o conceito da “doutrina do choque”? É um conceito onde líderes que formam as elites de poder ao redor do mundo usam as crises para colocar em prática algumas medidas impopulares e que ninguém aceitaria em tempos normais. Itens como implementação de um dinheiro mundial, impostos globais, controle populacional, controle de riquezas físicas (como o ouro), etc. Dentro deste conceito, a democracia atrapalha, pois costuma dar poder ao cidadão comum.

Os choques desta doutrina são coisas como uma crise (ou pânico) financeiro, um ataque terrorista, desastres naturais, assassinatos, etc. Dentro do conceito, estes eventos não são coisas que surgem do nada, mas são regulares e previsíveis, e quando ocorrem, as pessoas ficam com medo e procuram seus líderes para se sentirem protegidas e terminam por valorizar mais a ordem do que a própria liberdade. É neste cenário que as elites do poder apresentam um “plano” para restaurar a ordem e implementar os itens impopulares de suas agendas.

Seria este um momento de grande choque?

No Brasil estamos bem certos de que estamos atravessando um momento de choque. No entanto, a maioria dos brasileiros não estão de olho nos eventos econômicos do restante do mundo. Desde a última grande crise global, em 2008, os bancos centrais dos USA, Europa e Japão tiveram que socorrer alguns dos maiores bancos do mundo.

O problema é que isso foi feito a base de injeção de muito capital (trilhões de dólares) no sistema financeiro mundial, criando um ambiente artificial de estímulos à economia, com juros zero durante anos nas principais economias do mundo. Neste cenário, os USA tomaram um dívida de mais de 4 trilhões de dólares para suavizar os efeitos da crise de 2008 por lá. Ok, aparentemente a coisa funcionou, e a economia voltou a girar, mas esse dinheiro artificial foi ampliado ainda mais pelos instrumentos financeiros conhecidos como derivativos.

Hoje, sete anos depois, os cinco maiores bancos dos USA concentram cerca de 50% de todos os ativos bancários de lá. No entanto o sistema financeiro está mais frágil, com mais dívidas e mais alavancado. Dá para imaginar quais seriam os efeitos se uma nova crise se instalasse neste cenário? Poderia ser chamada de a “mãe de todas as crises”… Um choque e tanto, não é mesmo?

É possível nos protegermos contra os choques e seus efeitos?

Jim Rickards, em seu recém lançado livro “A Grande Queda”, defende a tese de que esta crise de proporções bem maiores pode se iniciar a qualquer momento, e nesta obra, ele aponta algumas estratégias que o investidor comum pode adotar (o quanto antes), tanto para se proteger desta nova crise, quanto das “medidas impopulares” que possam surgir durante e depois dela.

Caso você não conheça o Jim, além de trabalhar por 35 anos no mercado financeiro em Wall Street, ele já foi recrutado pela CIA em programas de investigação que envolviam o mercado financeiro (ataque às torres gêmeas) e hoje supervisiona a NSA, a CIA e outras 14 agências de inteligência dos USA.

A Empiricus, nossa parceira de conteúdo, em mais um surpreendente esforço para tornar esta obra conhecida pelo maior número de pessoas, iniciou um super projeto de levar o livro impresso de Jim Rickards até você. Eles providenciaram a tradução do material para o português, e (acredite) vão disponibilizar uma cópia gratuita para quem desejar.

Vem aí outra crise ainda maior? Jim Rickards diz que sim - See more at:  https://dinheirama.com/#sthash.S6Bd8fsH.dpuf

A primeira fase desta promoção já aconteceu há quase um mês atrás, e obviamente o primeiro lote de livros se esgotou rapidamente. Agora eles conseguiram disponibilizar um segundo lote. Portanto, se você não viu ou não adquiriu o seu exemplar naquela ocasião, você tem mais esta oportunidade.

Como de costume, a Empiricus montou uma página exclusiva sobre este tema, onde inclusive há vários outros detalhes sobre o assunto. Então, clique aqui para obter sua cópia impressa gratuita, pois você não encontrará este livro em nenhuma livraria.

Como mencionamos no início, o conteúdo é relevante e auxilia bastante as tomadas de decisão que envolvem nossos recursos financeiros. E se tiver um tempinho, depois comente o que achou da leitura. Até a próxima!

Nota: Esta coluna é mantida pela Empiricus, que contribui para que os leitores do Dinheirama possam ter acesso a conteúdo gratuito de qualidade.

Foto “dollar storm”, Shutterstock.

Empiricus Research
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários