dinheirama-post-paciencia-sucesso-sociedadePor vezes nos deparamos com problemas ou desafios que classificamos como “cabeludos”, “difíceis demais”, “verdadeiras provações” e por ai vai. Aquela sensação de impotência, de que somos muito pequenos diante da resposta que a situação exige, costuma ser paralisante.

Uma das coisas que procuro exercitar em momentos assim é minha paciência. Mas não é o tipo de paciência traduzida em não fazer nada. Não, falo da paciência traduzida na certeza de que preciso encarar o problema e resolvê-lo um passo de cada vez, com determinação, mas também no tempo certo (apropriado).

Repare no que acontece quando vivemos situações complicadas. Via de regra, somos cobrados pela sociedade e pelos familiares para agir de dois modos sacrificantes e perigosos:

  • Sucumbir de uma vez, dando aos demais o gostinho de dizer (ou pensar) “Eu sabia que você não suportaria”, um misto de prazer sádico com competição. É o olhar “de cima para baixo”, a superioridade sendo exercida como fator de intimidação. Parece estranho, mas esse complexo jeito de ser é plenamente explicado pela Psicologia;
  • Agir como verdadeiros heróis, encarando tudo de uma forma quase infantil, tentando transmitir uma imagem de “Super-Homem” e olhando para o problema com desdenho e petulância. “Isso não foi nada, vamos lá, levante a cabeça e vire a página” é uma reação comum. Trata-se de simplificar o outro para manter a si mesmo como “assunto principal”.

Nenhum dos comportamentos acima dá resultado. Ou pior: eles só agravam a situação. Esperam isso de nós porque querem provar ou que são melhores ou que somos ignorantes – faz parte da natureza humana exigir paciência dos outros, mas logo cobrar resultados rápidos quando é possível tirar alguma vantagem disso.

A verdade é que poucos são os que descem até o fundo do poço com uma corda e passam um bom tempo lá embaixo com você, preparando-o para a subida. Ou seja, poucos são os que passam da teoria para a prática da paciência, especialmente quando há outra pessoa envolvida.

Não desanime! Se você trabalha em projetos importantes para você, insista, siga paciente por cada passo do caminho. Nessas horas, transforme a paciência em sua maior virtude.

Termino este breve texto com uma frase que representa bem o que eu penso sobre a paciência: “A paciência é a mais heroica das virtudes, justamente por não ter nenhuma aparência heroica” (Giacomo Leopardi).

Sua paciência já foi testada muitas vezes? Quais foram as lições aprendidas? Compartilhe-as conosco usando o espaço de comentários abaixo. Obrigado e até a próxima.

Foto “Steinpyramide”, Shutterstock.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários