Palavras e o universo corporativoAlgumas palavras tão usadas dentro das empresas trazem consigo uma arqueologia de costume onde se escondem hierarquias subliminares, preconceitos enraizados e uma visão mecanicista das relações. Muitas dessas palavras demonstram, por quem as profere, a sua posição dentro da cadeia produtiva. Como dizia minha professora de língua portuguesa[bb]: “Somos ao dizer. Ao dizer, pensamos o que fazemos”.

Expressões como chão-de-fábrica, baias, rádio-peão e recursos humanos carregam em si o peso da desqualificação do trabalhador, herança de um passado “taylorista” que insiste em existir em pleno século XXI. Passado, onde o controle rígido sobre as atividades eram exercidos pelos “superiores” confortavelmente instalados em seus mezaninos. Algo semelhante com os dias de hoje? Infelizmente sim, em muitas empresas.

Ao conhecer a origem de algumas palavras do universo corporativo podemos até nos surpreender e entender alguns comportamentos facilmente vistos ou praticados. Pode parecer estranho, mas o peso desse modo de pensar expresso por meio das palavras está no inconsciente coletivo.

Vejamos alguns exemplos extraídos de minhas anotações nas aulas da disciplina “Trabalho e Educação” do curso de Pedagogia[bb]:

  • Trabalho: até o século seis, o verbo tripaliare significava tortura. Tripalium era um instrumento de tortura. Trabalho trazia consigo o peso da dor;
  • Negócio: negotium, a negação do repouso e ganhou sentido de transação somente no século 12 na França;
  • Empresa: segurar, agarrar com força derivada do latim prehensa. O significado de união para geração de lucro surgiu no século 15;
  • Labor: penoso que mais tarde foi substituído por trabalho;
  • Banco: mesa de agiotas medievais na Itália;
  • Preço: pretium, do latim, usado para nomear um valor de um objeto ou de uma pessoa. Nota-se que objeto e pessoa encontravam-se no mesmo nível;
  • Vender: vendere, expor-se a venda, mesmo sentido dado a prostituere;
  • Lider: do inglês leader, por razão do chumbo usado para fazer balas (lead);
  • Slogan: grito de guerra na linguagem celta.

É importante ter a consciência do que se diz. As palavras têm seu peso, não são somente palavras. Lembro-me de meu professor de Ergonomia[bb] que levava muito a sério o poder desqualificante das expressões e dinâmica excludente surgida por meio delas: em suas aulas, era praticamente proibido a pronúncia de vocábulos como mão-de-obra, baias e chão-de-fábrica. Algo para se pensar, concorda?

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários