Em quantas vezes dá para fazer esse tênis?”. Brasileiro adora parcelar suas compras, isso é fato. Já cansei de ouvir da boca de muitas pessoas próximas as famosas “verdades absolutas” (nem tanto, na prática) de que “o parcelamento é a única forma de uma pessoa normal – que não é rica ou ganha bem – comprar algo, construir patrimônio e conseguir ter um pouco de conforto”. Será mesmo?

Grandes empresas, de varejistas a comerciantes, e grupos financeiros lucram (muito) justamente com a venda de dinheiro (crediário) disfarçada de produtos. Ao entrar na loja para comprar à vista e buscar desconto, somos rapidamente desencorajados pelos seus vendedores e gerentes. Além disso, estão presentes muitas artimanhas que levam o consumidor a optar pelos “pequenos pagamentos a perder de vista”.

Em finanças pessoais, o legal é que a matemática básica sempre resolve e explica. Não existe mágica. A soma de vários pequenos valores e despesas contraídas no mês levam muitos a uma situação de descontrole. Os pequenos valores se transformam em uma grande dívida – neste momento, se a torneira não está totalmente fechada, cada gota que cai representa uma perda considerável.

Parcelamento, é possível consumir sem ele!

O artigo de hoje busca, em primeiro lugar, alertar você, caro leitor, quanto ao perigo de buscar somente o parcelamento como forma de conquista. Se estão lhe vendendo essa “verdade”, é hora de olhar pra fora da caixa e abrir seu horizonte de negociação e consumo.

Sempre batemos na tecla do planejamento de gastos. Ora, quem não cria seus próprios objetivos está cada dia mais exposto à compra por impulso. Tenho tranquilidade em afirmar que grande parte das compras parceladas acontece na base da empolgação, sustentada em algo que originalmente não fazia parte do planejamento. É aquele par de sapatos que você viu enquanto esperava por alguém no shopping, aquele celular novo que tem mais funções do que seu atual e por ai vai.

Comece definindo suas metas de consumo

Experimente definir metas para sua vida financeira. Por exemplo, se você gosta de comprar sapatos, então compre-os, mas só depois de definir um limite. E poupe, guarde para quando o momento chegar, colocando esse valor no seu orçamento. Ao invés de parcelar a compra, parcele mês a mês a conquista efetiva do montante necessário para a compra à vista.

Ao se antecipar e guardar o dinheiro, você terá a chance ideal para negociar e conquistar bons descontos. Só compre onde as condições forem as melhores para o seu bolso, dada sua realidade e valor disponível. Prefira muitas vezes lojas menos badaladas, inclusive em locais menos frequentados por muita gente. Pesquise muito antes de decidir comprar e você certamente achará algum lojista disposto a vender-lhe o produto com um bom desconto.

Ao contrário do que muitos pensam, no Dinheirama não defendemos o pão-durismo. Não somos contra o consumo. Pelo contrário, todos temos nossos sonhos e objetivos bem definidos e compartilhamos com amigos e familiares conquistas fundamentais como carro, celular, oportunidade de viajar, mas sempre evitando parcelamentos longos e negociando boas oportunidades.

Optamos pela qualidade de vida com liberdade, o que significa destinar primeiro os recursos necessários para nossa independência e consumo com coerência, sem prejudicar os sonhos de curto, médio e longo prazos. Mas isso significa abrir mão de alguma satisfação imediata. Não tem problema, afinal a frustração ensina a valorizar ainda mais a conquista quando ela chega.

Parcelar pode se tornar um vício

Volto a chamar sua atenção: lembre-se que o parcelamento se torna, lenta e invisivelmente, um vicio. Ao olhar o orçamento, com o tempo é provável que se enxergue apenas o valor da parcela. E de muitas parcelas. E o estrago normalmente estará bem grande. O impulso e a falta de controle poderão levá-lo a criar outros parcelamentos e a comprometer sua renda de forma perigosa.

Tome cuidado adicional com o parcelamento realizado pelo cartão de crédito ou mesmo por cheques pré-datados, pois as duas modalidades de crédito quando não quitados levam o consumidor a ter pela frente juros extremamente elevados, comprometendo a situação financeira em algumas vezes por muitos anos. A dívida nestes casos cresce de forma espantosa.

As emoções são importantes, mas não podem guiar todas as suas decisões. Na hora da compra, apelar apenas para a emoção quase sempre significa bons negócios para o vendedor e uma compra inconsciente. Seja mais amigo de seu dinheiro e busque a satisfação com planejamento e bom senso, reduzindo assim o número dos parcelamentos. Funciona. Até a próxima.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários