Pare de perder tempo: estabeleça um sentido de urgênciaPara começar, um exercício de abstração. É manhã e o sol acaba de nascer. Mais uma feliz jornada de trabalho se iniciará em pouco tempo. Você chega ao escritório, dá um “oi” para o pessoal, senta-se em sua cadeira, comenta sobre os principais fatos do dia anterior com o colega do lado e liga o computador[bb] ainda com um pouco de sono. Então o seu dia começa a deixar de ser aquele belo dia de trabalho que você imaginou ao acordar.

Mas, o que aconteceu? Ora, as tarefas diárias começaram a aparecer aos montes. Sua caixa de e-mails está mais cheia do que a agência bancária em horário de almoço; seu chefe está com cara de quem não recebeu boas notícias na reunião de ontem com a matriz; e, além disso, você ainda tem algumas visitas a clientes para realizar antes do sol se por. Pois é, nesse momento fica difícil separar o que é urgente do que é importante e do que pode ser deixado para depois.

Realizar várias atividades com pressa, correndo pra lá e pra cá, não melhora em nada a sua situação. A afirmação é de John Kotter, professor emérito da Harvard Business School – o maior expoente mundial em liderança e em mudança -, e consta em seu livro “Sentido de Urgência: O que falta para você vencer” (Editora Best Seller). Aproveitando a oportunidade, lanço duas perguntas: 1) O que é urgência para você? e 2) Isso tem importância na sua vida?

Kotter acredita ser fundamental estabelecer as atividades diárias sempre com um sentido (senso) de urgência, classificando-as quanto à importância antes de sua execução. Estabelecer essas prioridades é estar sempre em busca de pequenos resultados no curto prazo que se alinhem à meta de longo prazo proposta pela empresa.

Embora essa atitude pareça óbvia e comum, colocá-la em segundo plano pode levar a uma série de ações que não produzem lucro, isto é, resultados, ou que não estão alinhadas com a meta principal[bb], assim se perdendo em meio à tantas atividades. Pior, você pode se ver tratando como urgentes tarefas sem nexo ou sem importância.

“A falsa urgência provoca uma sensação estressante, frenética e paralisante. Já a verdadeira urgência, mesmo que exija ações rápidas, é estável, perseverante e segue um objetivo.”

Assim, trabalhar com um sentido de urgência é interessante tanto no âmbito profissional quanto pessoal, pois nos força a ser mais eficientes aprendendo a “fazer mais com menos”.

Como desenvolver um sentido de urgência?
John Kotter descreve quatro passos para se alcançar, dentro de uma corporação, aquilo que ele considera o inteligente processo de avaliar urgências. Primeiro, é necessário “trazer o exterior para dentro”, ou seja, trazer a realidade do mundo para dentro da empresa, confrontando-a em suas negligências. Isso através de vários meios: vídeos, clipes, palestras, pessoas e etc.

Em seguida, o gestor (o líder) deve transmitir urgência em todos os momentos: em reuniões, e-mails e etc., não se permitindo ficar nervoso ou com raiva. Isto pode atrapalhar e desmotivar o colaborador. Kotter completa:

“Um verdadeiro sentido de urgência é raro, muito mais raro do que a maioria pode pensar. Contudo, é de um valor incalculável num mundo que não vai ficar parado.

A verdadeira urgência é motivada por uma profunda determinação em vencer, não por ansiedade em perder. Com uma atitude de verdadeira urgência, tenta conseguir-se alguma coisa importante todos os dias, nunca se deixando ficar com a tarefa potencialmente provocadora de um ataque cardíaco que é correr mil quilômetros na última semana antes da corrida.”

Também é importante, segundo o professor, identificar oportunidades que estejam esquecidas devido a crises emergentes, sejam elas do mercado[bb] ou da empresa. Nesse momento, é importante fazer uma busca interna por problemas não resolvidos. Em último lugar, é necessário “enfrentar os negativistas”, afinal é extremamente importante que o colaborador venha trabalhar empenhado a descobrir novas oportunidades, todos os dias.

“Um sentido de urgência não é uma atitude de ter que fazer a reunião da equipe de projeto hoje, mas sim que a reunião tem de atingir algo importante hoje. O comportamento urgente não é motivado por acreditar que tudo está bem ou que tudo é uma confusão, mas, em vez disso, que o mundo tem grandes oportunidades e grandes perigos. Mais ainda, a ação urgente não é criada por sentimentos de contentamento, ansiedade, frustração ou raiva, mas por uma determinação profunda para agir e vencer agora.”

Nada melhor do que assistir ao vídeo que contém uma entrevista com o professor John Kotter, onde ele conta as razões e situações que o motivaram a escrever o livro “Sentido de Urgência: O que falta para você vencer” (Editora Best Seller):

Aguardo seus comentários no espaço abaixo. Obrigado e até a próxima.

——
Bruno Biscaia
já atuou nos setores de Marketing de Eventos e de Planejamento e Controle da Produção. É estudante de Engenharia de Produção Mecânica na Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) e edita a seção de Empreendedorismo do Dinheirama.

Crédito da foto para stock.xchng.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários