Algumas semanas atrás estávamos todos sendo bombardeados por posts relacionados à campanha eleitoral. Confesso que até saí um pouco das redes sociais porque mais do que a defesa do lado X ou Y, estava vendo uma série de agressões e acusações de ambos os grupos que nem de longe me agradavam. Amizades desfeitas, familiares se acusando, pessoas que até outro dia se gostavam se atacando, ufa!

O fato é que independente das ações de nossos governantes,  há algo fundamental que nem sempre é considerado no dia a dia: o nosso papel individual como cidadãos, mais que isso, como seres humanos. O que estamos fazendo para tornar este mundo melhor? Ainda que o mundo, no caso, seja apenas a pequena parcela de pessoas que nos rodeiam frequentemente. Provavelmente muito pouco!

Estou escrevendo este artigo para perguntar se você já fez uma autocrítica e perguntou a si mesmo: “O que tenho jogado mais nas pessoas? Pedras ou flores? Tenho atirado acusações para todos os lados, mas e eu? Faço meu papel quando deveria?”. Pois bem, está na hora de ficarmos de olho no que efetivamente temos feito da vida neste sentido.

Um bom exemplo

Vamos a um exemplo que acompanhei outro dia: Um amigo acabou parando para conversar com um senhor maltrapilho que tinha um ferimento na testa, um morador de rua que lhe chamou a atenção pelo ar sofrido. Em alguns minutos de conversa, descobriu que ele era de outro estado, queria voltar para a família, mas estava vivendo como um “objeto” abandonado, que ninguém olha, sem a menor perspectiva de sair daquela situação.

Ao colocar a história na internet e pedir ajuda, ele auxiliou o senhor a encontrar o filho, e eles prontamente se reencontraram. Ou seja, um simples olhar atento mudou um destino que provavelmente teria sido outro se ele tivesse simplesmente passado adiante. E você? Já parou para averiguar se aquele morador de rua que está sempre nos arredores não aceitaria de bom grado um prato de comida?

Vamos a outros exemplos que qualquer cidadão pode praticar e certamente só fará bem a todos ao redor: Você costuma doar o que não usa mais? Incentiva seus filhos a fazerem isso? Fica atento para não parar nas vagas de estacionamento destinadas a deficientes? Não fura fila? Dá lugar no ônibus para os mais velhos? Faz algum trabalho voluntário? Respeita os outros? Puxa, tantas coisas não? Nós precisamos depender do governo para isso? Não precisamos.

E eu acredito que atitudes individuais são fundamentais para a conquista de um mundo melhor, independente do resto. Portanto, quando começam a falar demais e criticar demais, procuro sair daquela energia acusatória e continuar fazendo a minha parte como ser humano. Geralmente, quem critica muito, acredite, é quem menos faz!

Quais exemplos você está dando?

Algumas semanas atrás, eu escrevi sobre uma conversa que tive com a Heloísa Capelas, especialista em inteligência emocional e diretora do Centro Hoffman. Vou aproveitar para repetir aqui algo de muita importância que ela disse: “a criança aprende através da cópia e repetição de seus pais”. Sendo assim, além das suas atitudes terem o poder de melhorar o mundo à sua volta, elas estarão também servindo de exemplo para quem aprende com você, percebe a responsabilidade?

Para Heloísa, há quatro formas de se preparar os filhos para serem bons cidadãos:

1) Ao falar de política, evite xingamentos ou referências violentas;

2) Lembre-se que seus valores e comportamentos servirão de referência;

3) Na medida do possível, responda questionamentos e explique a situação; e

4) Conte aos seus filhos que existem posicionamentos diferentes dos seus. “Como a existência de partidos políticos e outros aspectos da nossa democracia podem ser complexos para o entendimento das crianças, basta que os pais ajam de maneira correta.

Pais equilibrados deixam a família em harmonia, além de criarem crianças saudáveis, satisfeitas e prontas para serem adultos e cidadãos responsáveis”, explica ela.

Eu aproveitei e preparei uma lista com 10 pontos gerais que podemos inserir em nosso dia a dia para nos tornamos pessoas e cidadãos melhores. Quem sabe não conseguimos deixar as pedras um pouco de lado e jogar mais flores para o mundo neste próximo ano que começa? Vamos juntos?

  1. Eduque em casa – O respeito ao outro começa em casa. Lembre-se sempre disso! Não critique nem ofenda os outros. Respeite, respeite, respeite. Cada um tem a sua jornada individual neste planeta.
  2. Ensine economia doméstica a seus filhos – Todos precisam saber um pouco de tudo para sobreviver. É muito importante mostrar que cada um é responsável pela limpeza de seu canto, que não se deve desperdiçar, que todos devem ajudar de alguma forma.
  3. Ensine independência financeira a seus filhos –Educação financeira é o ponto número um para uma vida com mais liberdade. Saber lidar com dinheiro de forma equilibrada é essencial para tomar melhores decisões na vida. Mostre equilibrio, não consumo desenfreado.
  4. Aceite os outros como são – Procure ser menos crítico ao julgar os outros. A vida de cada um sinceramente não lhe diz respeito, portanto, simplesmente aceite e foque na sua vida. Você verá como evitará preocupações desnecessárias.
  5. Estimule mais a paz e e não a guerra – Como é bom estar em ambientes de paz, onde as pessoas conseguem conversar abertamente, onde há não ameaças nem temor. Que tal estimular a paz dentro de casa e nos lugares onde você frequenta?
  6. Doe o que não use mais – Doação é essencial para estimular a prosperidade na sua vida e auxiliar os outros. Sempre que podemos, dizemos isso aqui no Dinheirama, portanto, doe o que não usa mais. Faça este ciclo girar, não acumule à toa, combinado?
  7. Seja voluntário em algum momento – São tantas as opções para se ajudar o outro! E nem precisa ser através de alguma ONG ou algo do tipo. Tente separar algum tempinho e vá ajudar algum projeto que gosta ou simplesmente ofereça ajuda em alguma campanha ou ação social. Qualquer auxílio é válido e é sempre muito recompensador.
  8. Maneire os palavrões e a agressividade – Cuidado com as palavras que você fala o tempo todo. Assim como o quê pensamos, tudo que falamos emite ondas vibratórias ao nosso redor e contribui para nosso futuro. Procure, inclusive, substituir as palavras negativas por outras mais positivas.
  9. Não faça bullying – Respeitar também é não fazer bullying com as outras pessoas, não rir de aparência, forma de agir ou falar, vestimentas, e etc. E ensinar as crianças que convivem com você que não se deve fazer isso. Coloque-se no lugar do outro sempre. Não ajude a criar preconceito nem contribua para que as pessoas sejam infelizes.
  10. Estimule a leitura: menos internet e mais livros – Finalmente, vamos a um último ponto importante dentre muitos outros que ainda poderia citar: que tal ler mais, estar mais aberto a informação de qualidade e educação que vale a pena no lugar de ficar tanto tempo na internet consumindo fake news, agressões e coisas do tipo? Quem tem bons livros na mão, certamente conseguirá pensar por si só e ter atitudes mais positivas para se tornar um cidadão melhor! Pronto para o desafio?
Janaína Gimael
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários