PIB brasileiro cresce 7,5% em 2010. E agora? E o futuro?O Brasil alcançou, de acordo com as palavras proferidas pelo ministro Guido Mantega, o posto de sétima economia do mundo. “Se considerarmos o PIB a preços de paridade e poder de compra, em conta ainda não oficial, a ser feita pelo FMI (Fundo Monetário Internacional) ou pelo Banco Mundial, atingimos um PIB de R$ 3,6 trilhões, o que nos coloca em sétimo lugar, superando a França e o Reino Unido”, disse o ministro. Dois anos atrás, o país ocupava o nono posto, atrás de Estados Unidos, China, Japão, Índia, Alemanha, Rússia, Reino Unido e França.

Ao que tudo indica, o ano de 2010 entrou para história como um dos anos em que o país mais cresceu – o PIB (Produto Interno Bruto) variou 7,5%, segundo o IBGE –, mesmo tendo como base um ano de 2009 pós-crise, quando a economia estagnou.

Se é importante divulgar o “Pibão” de 7,5% de 2010, o que dizer deste ano e dos próximos? Muitas dúvidas surgem e as primeiras dizem respeito à condução da política econômica: após longos (e interessantes) oito anos de Henrique Meirelles frente ao Banco Central (BC), o que esperar?

Tal como Meirelles em 2003, Alexandre Tombini, atual presidente do BC, iniciou seu legado promovendo alta na Taxa Selic. Nesta semana, a taxa chegou ao patamar de 11,75% ao ano, com ajuste de 0,5% em relação ao último encontro do Copom (Comitê de Política Monetária). No mercado há a expectativa de que os ajustes continuarão até que a Selic chegue a 12,50%, no meio do ano.

Outro ponto a destacar é o corte de R$ 50 bilhões no orçamento. O governo detalhou, na semana passada, um plano para reduzir os gastos públicos, colocando em xeque inclusive alguns compromissos de campanha assumidos pela Presidente Dilma, especialmente o tão alardeado projeto “Minha Casa Minha Vida”.

“Cortar previsões de gastos, porém, não é a mesma coisa do que cortar gastos. Um item que pode servir como exemplo típico da regra geral adotada na definição dos cortes é a contenção das despesas previstas com novas contratações de pessoal pelo governo. Havia, no orçamento, uma previsão de R$ 5 bilhões para novas contratações este ano. Dessa previsão, foram cortados R$ 3,5 bilhões. Significa que concursos públicos previstos não serão realizados, mas não que o contingente de servidores e a folha salarial atual serão enxugados” – José Paulo Kupfer, artigo “Cortes (quase só) de vento” (Estadão)

De concreto, o aumento na taxa de juros e o aperto no orçamento não respondem à necessidade de aumento de investimento que o país necessita para crescer. Para se ter uma ideia, em 2010 chegou-se a 18,4% do PIB concentrados em investimentos, muito aquém do necessário para o crescimento sustentável da economia. A partir dos dados apurados de inflação, tudo indica que o crescimento de 7,5% do PIB foi um “salto maior do que a perna”. Espero estar errado.

Diante da inflação, o Copom decide aumentar os juros. Simples assim. A impressão que temos é que a economia é muito previsível; e de fato é: aquecimento desproporcional à capacidade de produção/consumo leva à inflação. A inflação leva ao aumento dos juros, que mais elevados encarecem o crédito e fazem diminuir a tomada de dinheiro emprestado e, por consequência, o consumo. E assim por diante.

Um desabafo
Cansei de ver as possibilidades de desenvolvimento do país serem deterioradas por falta de estrutura. O Brasil precisa seguir em frente e alavancar seu crescimento, mexendo onde de fato é necessário. Carga tributária desumana, péssima infraestrutura, máquina pública inchada e ineficiente e gestão fraterna dos governos (sem compromisso real de promover reformas urgentes, como da previdência) são alguns dos desafios. Velhos desafios. Conhecidos desafios.

Tudo bem, é verdade que a inflação desse ano tem alguns componentes pontuais, como o aumento no preço das commodities e até mesmo os conflitos no Mundo Árabe, que trouxeram medo e intranqüilidade em relação ao petróleo (a cotação se eleva de maneira insistente). O FMI já se pronunciou com preocupações deste tipo. Concordo e esses detalhes reforçam a tese de que, por enquanto, é mais saudável para a economia pisar no freio.

Vamos acompanhar de perto o ano de 2011 e o futuro, que chega rápido. Esperamos que o país perceba, de uma vez por todas, que é hora de mudar, privilegiar a necessidade de modernização da infraestrutura e promoção de reformas para que tenhamos mais oferta de produtos, serviços e a possibilidade de desenvolvimento de mão de obra especializada. Só assim sairemos da “corrida dos ratos” de nossa própria economia. Bom Carnaval a todos.

Foto de freedigitalphotos.net.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários