Home Agronegócio Plano Safra 24/25 será de R$ 475 bi, diz Fávaro

Plano Safra 24/25 será de R$ 475 bi, diz Fávaro

O anúncio do Plano Safra está marcado para esta quarta-feira.

por Reuters
3 min leitura

O Plano Safra 2024/25 somará 475,5 bilhões de reais em financiamentos, sendo 400,5 bilhões de reais para o agronegócio e mais 75 bilhões para a agricultura familiar, disse o ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, em entrevista à GloboNews, nesta quarta-feira.

O programa governamental para apoiar a agricultura brasileira, que será anunciado nesta quarta-feira já com a safra 2024/25 em andamento — o ciclo começa em 1º de julho –, deverá ter um crescimento de 9,1% na comparação com o volume de recursos destinados para a agricultura empresarial e familiar na temporada anterior.

Segundo Fávaro, entre os recursos para financiamento da agricultura empresarial em 2024/25, 293 bilhões de reais serão destinados para custeio e comercialização e outros 107 bilhões para investimentos.

A equalização dos juros realizada com recursos do Tesouro deverá chegar a 16,4 bilhões de reais, acrescentou ele, citando que o montante com taxas subsidiadas será concedido apesar de o Brasil estar lidando com um ajuste fiscal.

“É fato que sucessivamente o governo toma a decisão de investir cada vez mais na agropecuária, mesmo em momentos tão importantes como esse, de ajuste fiscal, de compromisso com déficit zero…”, disse.

“Posso garantir que a decisão foi cravada por ele (presidente Luiz Inácio Lula da Silva), (do) aumento de recursos para subvenção do novo plano, porque entende que isso fomenta a economia”, ressaltou o ministro da Agricultura.

Fávaro também afirmou que o Plano Safra 2024/25 é o maior da história e tende a ser “63% mais eficaz, eficiente”, já que além do maior volume de recursos houve queda dos custos de produção dos agricultores nos últimos dois anos.

Recuo sobre arroz

Ao comentar sobre a situação do mercado de arroz, Fávaro disse não ver mais necessidade de realização de novos leilões para compra de arroz importado, já que os preços teriam voltado à normalidade depois de “especulação” em meio às enchentes no Rio Grande do Sul, principal produtor nacional do produto.

“Os preços já cederam, o arroz (está) voltando ao preço normal… Então, me parece que é mais plausível nesse momento a gente monitorar o mercado. Não havendo especulação, na minha avaliação, não se faz necessário novos leilões.”

Anteriormente, o governo havia mantido a posição de realizar um novo leilão de arroz importado, apesar dos protestos do setor produtivo, que citou riscos de desestímulo à produção da próxima safra do Rio Grande do Sul, o principal Estado produtor.

O governo federal chegou a realizar em junho um certame para compra de arroz importado, mas a licitação foi anulada em meio a suspeitas de conflito de interesse envolvendo o então secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Neri Geller, que deixou o cargo após o episódio.

Segundo Fávaro, o novo Plano Safra terá linhas para estimular o aumento da produção de arroz no Rio Grande do Sul e também em outros Estados.

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.