Tenho uma amiga e cliente (atualmente mais amiga que cliente) com a qual me identifico bastante.

Compartilhamos uma visão de mundo e de vida muito parecida e nossas conversas fluem de forma leve e tranquila.

Da última vez que nos encontramos ela comentou sobre seus costumes quase espartanos, deixando claro que, apesar de ser uma empresária de sucesso, não adquiriu hábitos de ostentação e que gosta de viver a vida de forma bem simples.

“Sabe Jorge, a pobreza me abandonou, mas eu não abandonei a pobreza.” Rimos muito desta frase espirituosa!

Canal de áudios recomendado: DinheiramaCast, o seu podcast de educação financeira

Escravos de futilidades

Nossa conversa enveredou por esta área devido a uma situação cada vez mais comum: fomos interrompidos em nosso cafezinho por uma empregada de sua empresa que precisava “desesperadamente” de um adiantamento salarial.

Este exemplo individual reflete uma chaga da Sociedade materialista: pessoas com emprego e bons salários se “apertam” por absoluto descontrole do orçamento e começam a se endividar em um círculo vicioso que muitas vezes leva à falência pessoal.

O que mais me espanta são as causas destas dívidas muitas vezes impagáveis: o celular mais moderno, a roupa da butique da moda, a balada que todos frequentam e que precisa ser postada nas redes sociais além de outras futilidades afins.

Ebook gratuito recomendado: Do Endividamento ao Investimento

Amigos da frugalidade

Minha amiga empresária, depois que voltamos ao cafezinho, comentou:

“Gosto de viver bem. Meu celular é bom, mas não é o top. Meu carro não é do ano e frequento restaurantes bons e baratos. Não preciso, não devo e não gosto de mostrar para ninguém que sou bem sucedida.”

Concordei integralmente com ela.

Dinheiro é servo e não senhor. Se nossa felicidade e prazer de viver dependem exclusivamente da conta bancária, passamos a vida correndo atrás do vil metal, numa verdadeira corrida de ratos (leia “Pai rico, pai pobre”).

E aí, provavelmente, a vida vai passar correndo por nós, sem nos dar tempo de percebê-la nas suas belezas simples e essenciais.

Jorge Mauricio Castro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários