Educação Financeira e Finanças PessoaisSomos desafiados inúmeras vezes por dia. Matemática, economia, relacionamento interpessoal, escrita, leitura e muitas outras atividades e ciências desafiam nossa capacidade de raciocínio e ação. Nada mais natural que manter a mente sempre ativa, fazendo contas e gerenciando o fluxo de atividades do dia-a-dia. Faz bem exercitar o cérebro, mas faz mal sobrecarregá-lo.

Sempre que converso com pessoas endividadas ou que estão à beira do colapso financeiro, noto um comportamento comum: elas adoram a contabilidade mental, o controle feito apenas pela memória. Nada de papel, planilha ou sistema. Tudo está (está mesmo?) registrado na cabeça, na memória, nos complexos lampejos dos neurônios. Contabilidade mental funciona?

Li diversas obras que citam a contabilidade mental como um grande perigo para as finanças cotidianas, mas os trechos que mais se aproximam da minha opinião vêm do livro “A Dieta do Bolso”, escrito por Eliana Bussinger. Concordamos que deixar o controle das finanças a cargo da mente é uma atitude perigosa, desnecessária e ineficiente.

Não funciona e as razões disso são simples:

  • As emoções influenciam os pequenos gastos e “escondem” a sua verdadeira razão de ser. A memória não se lembra exatamente de onde foi que você gastou aqueles R$ 5 porque eles foram usados para um prazer imediato;
  • Qualquer evento que movimentar sua rotina pode facilmente mudar seu comportamento diante do dinheiro[bb], levando-o à presenciar o item anterior;
  • Sem tomar nota das suas movimentações fica quase impossível determinar mudanças de atitude e(ou) compromissos, já que a visibilidade futura é quase nula.

Eliana lança luz ao tema, com uma afirmação simples, mas bastante profunda:

“Na contabilidade mental, não costumamos perceber a interação do mercado e a correlação entre investimentos”

Em outras palavras, sem um controle formal das finanças fica muito difícil traçar um paralelo entre a situação financeira da família, as oportunidades vigentes e o comportamento do mercado. Sem base, vive-se apenas preocupado com o dia-a-dia, com o pouco que resta na carteira, sem valorizar o planejamento futuro.

Tome conta do seu dinheiro!
O erro não está em usar a cabeça para calcular, mas em confiar nela para gerir seu fluxo de caixa. De novo, não funciona! Opte por anotar seus gastos diários em um bloco de papel e transfira-os para a planilha mensal de orçamento. Preste atenção à evolução dos gastos, categorizando-os sempre de forma bem detalhada. O começo pode ser trabalhoso, mas logo a atitude se transformará em um hábito.

O documento formal permite que sejam realizadas análises críticas, mais imparciais, desprovidas de emoção. Números absolutos, gráficos e percentuais de correlação facilitam sua gestão microeconômica, permitindo fácil visualização da relação entre receitas e despesas[bb]. Como em uma gestão profissional (você vai ter que aprender durante sua carreira), subsídios, dados e comparações são passos necessários para uma decisão acertada.

Pare de inventar desculpas!
É comum ouvir reclamações do tipo “planilhas e controles precisos tiram minha liberdade, ceifam minhas chances de viver mais feliz gastando com coisas que me satisfazem”. Soa como um comentário razóavel ou como uma desculpa para manter a emoção em linha com os desejos de comprar e consumir? Os endividados e amantes de um carnê costumam pensar assim. São da turma do “mas a parcela cabe no meu salário”.

Uma ferramenta de gestão financeira não tolhe a liberdade, apenas evidencia sua real capacidade de atingir a plena independência financeira. É quando o auto-conhecimento encontra-se com a disciplina e a capacidade de controlar. Enquanto confiarmos demais nos nossos sentimentos e os misturarmos com o corrido dia-a-dia dos novos tempos, daremos à mente material suficiente para enganar a razão.

Anote tudo, mantenha um rígido e documentado controle de seu fluxo de caixa. Recomendo que cerque seus impulsos com fatos, estatísticas e não apenas com a esperança. A disciplina necessária para manter o orçamento em dia transformará sua rotina mais rápido do que você imagina. Experimente!

Algumas ferramentas podem ajudá-lo nessa tarefa. Confira:

  • Finance Destkop – Software gratuito para gestão financeira
  • Controle Financeiro – Ferramenta online gratuita para gestão financeira
  • Spesa – Ferramenta online gratuita para gestão financeira
  • Conta Ouro – Sistema de controle financeiro online
  • MoneyTrackin’ – Ferramenta online gratuita para contabilidade pessoal
  • Expensr – Ferramenta online gratuita para gestão financeira (em inglês)
  • Personal Finances – Software para gestão financeira pessoal. Possui versões grátis e paga.
  • iCash – Programa simples para gestão financeira
  • jFinanças Pessoal – Ferramenta para gestão financeira pessoal. Pago.
  • Bônu$ – Sistema para gestão de finanças pessoais.

Envie suas dicas de ferramentas de gestão financeira e as publicarei neste artigo. Crédito da foto para Marcio Eugenio.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários