Por que a poupança não é um bom investimento?Durante todo o ano de 2013, os jornais sucessivamente noticiaram captações recordes na caderneta de poupança. Reconheço que em momentos ruins da economia muitos investidores recorrem às aplicações mais conservadoras.

No entanto, o patrimônio aplicado na poupança no ano passado aumentou muito e não é lógico este crescimento num ambiente de inflação alta.

Sei que muitos trabalhadores utilizam a conta poupança como conta corrente, já que nestas os bancos não cobram taxas de serviço. Dessa forma, salários, aposentadorias e 13º salário, que apresentaram ganhos reais nos últimos anos, são depositados nestas contas e engrossam a captação.

Você pode estar perdendo poder de compra

Mas com inflação rodando muito acima do centro da meta de 4,5% ao ano – o IPCA fechou 2013 em 5,84% – o dinheiro aplicado na poupança que rendeu 5,23% em 2013 (ou 6,31% as aplicações da regra antiga) está perdendo poder de compra.

A inflação só não foi mais alta porque o governo segurou a alta de alguns produtos, mas os preços dos alimentos e dos serviços subiram muito mais do que 5,84%.

Fazendo uma análise de 2013, alguns produtos de renda fixa com taxas de administração acima de 1% perderam para a poupança, depois de descontado o imposto de renda. Outros com taxas mais baixas empataram, mas muitos apresentaram desempenho superior.

É preciso desenvolver inteligência financeira

Não tenho nada contra deixar as reservas para emergências aplicadas na poupança, mas para recursos que ficarão aplicados por um prazo mais longo, vale a pena dedicar algum tempo para encontrar produtos melhores e obter retornos maiores, inclusive para superar a inflação.

Porém, diante de tantas notícias que incentivam a aplicação na poupança e um cenário econômico tão ruim, com inflação alta, dólar valorizando, aumento dos gastos do governo e poucas perspectivas de mudanças estruturais para aumentar os investimentos e promover reformas que resultem numa situação econômica melhor para o país, comecei a questionar se eu não estaria enganada e a poupança talvez fosse, de fato, um bom produto.

Não tenho problemas em rever meus conceitos e faço esse exercício regularmente: “Quando os fatos mudam, eu mudo de opinião. E o Senhor?” (Keynes).

Para isso, fiz algumas simulações comparando a rentabilidade da poupança com a de alguns outros investimentos conservadores e os resultados não me convenceram a mudar o meu conceito sobre a poupança.

Reforçou ainda mais meus argumentos a notícia sobre a Caixa Econômica Federal, que se apropriou do saldo de 496 mil contas de poupança incorporando-o ao seu lucro de 2012. Estas contas totalizavam R$ 719 milhões, o que não é pouco.

Depois, conversando com alguns clientes e amigos, fiquei sabendo que contas de poupança vêm sendo encerradas por parte desse banco há alguns anos.

O que querem os investidores da poupança?

Mas o que pensam os 10.145 poupadores que juntos possuem valor na caderneta de R$ 36,2 bi, o que dá uma média de R$ 3,5 milhões por cliente?

Pela matéria publicado no jornal “O Globo” (05/01/2014) estes optaram pela poupança, pois acreditam que obtêm uma boa rentabilidade atrelada à segurança, mas sobretudo para eles – que possuem um valor significativo aplicado nesta modalidade – isto não é verdade.

A poupança só é garantida até o limite de R$ 250 mil por banco e por CPF. E, se comparada a outros investimentos conservadores como fundos que investem apenas em títulos do governo e outros produtos como LCI (Letras de Crédito Imobiliário), perdem no quesito rentabilidade.

Alguns números para facilitar

Talvez olhando os números fique mais fácil compreender minhas restrições quanto à poupança. Veja alguns exemplos de rendimentos, supondo aplicação de R$ 1 milhão no início de 2013:

  • Na poupança: R$ 52.300 (isento de imposto)
  • Em LCI (98% do CDI): R$ 78.792 (isento de imposto)
  • Fundo ÓRAMA Cash DI: R$ 61.700 (já descontado 20% de IR)

Mas não são apenas os grandes valores que não devem ser aplicados na caderneta de poupança, com valores menores também é possível ganhar mais. Supondo uma aplicação de R$ 5 mil, os rendimentos em 2013 teriam sido:

  • Na poupança: R$ 261,50 (isento de imposto)
  • Em LCI (90% do CDI): R$ 361,80 (isento de imposto)
  • Fundo ÓRAMA Cash DI: R$ 305,52 (já descontado 20% de IR)

Então lembre-se: o bom investidor procura melhores rentabilidades desde o inicio. Se você tiver alguma dúvida sobre investimentos em renda fixa, envie uma mensagem para mim através do canal “Fale com a Sandra”, no site da Órama.

Aproveito também para avisar que a partir de agora é possível investir em LCI com a Órama. Obrigada e até a próxima.

Foto “Piggy bank with calculator”, Shutterstock.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários