Com a inflação alta, a poupança vem perdendo cada vez mais competitividade diante dos fundos de renda fixa, até mesmo daqueles que têm altas taxas de administração, acima de 1%.

“A poupança conta com um sistema chamado FGC (Fundo Garantidor de Crédito) para proteção de depósitos de até R$ 250 mil por CPF por instituição financeira. Produtos como CDB, LCI e LCA também são cobertos por esse fundo e têm rentabilidade superior à poupança, mesmo quando alguns ainda tenham a tributação sobre sua rentabilidade”, afirma o planejador financeiro Jansen Costa.

No entanto, a caderneta ainda pode ser uma opção para o curtíssimo prazo, já que é recomendada, especialmente, para a formação de uma reserva de emergência, por sua alta liquidez (possibilidade de resgatar o dinheiro a qualquer momento). A poupança é geralmente a alternativa preferida pelos iniciantes, que ainda estão adquirindo a cultura de investir.

Diversificar investimentos é a solução

Em tempos de inflação alta, a recomendação de que o poupador “nunca coloque todos os ovos na mesma cesta” torna-se ainda mais importante. Isso porque diversificar os investimentos possibilita um retorno intermediário entre os ativos mais e menos arriscados da carteira, com uma segurança maior do que apostar tudo em um único ativo.

Além disso, ao alocar os recursos em aplicações diferentes – que devem ser escolhidas de acordo com o perfil de risco, objetivos e prazos – o poupador tem a chance de se beneficiar de diferentes cenários da economia.

Leitura recomendada: 3 Investimentos para realizar em épocas de crise (e você os conhece)

Principais alternativas à caderneta de poupança para vencer a inflação

De acordo com a última pesquisa Focus do Banco Central, economistas acreditam que o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) deve encerrar o ano em 9,32%. Nesse cenário, as aplicações atreladas ao índice ganham apelo entre os investidores.

Os investimentos no Tesouro Direto dispararam em 2015 e bateram recorde no mês de maio. As vendas de papéis por meio da modalidade somaram R$ 2,411 bilhões, o maior valor mensal da história, e pela primeira vez acima da marca de R$ 2 bilhões.

Além disso, o número de investidores cadastrados no programa atingiu 508 mil, acima de 500 mil pela primeira vez. Segundo David Rebelo Athayde, analista do Tesouro Nacional, o aumento da procura pelo se deve à melhoria na comunicação com a sociedade. Em março, o órgão reformulou a página do programa na internet, explicando melhor os tipos de papéis e oferecendo ferramentas como a calculadora de rendimentos.

Para quem tem até R$ 5 mil para investir, títulos do Tesouro podem ser uma boa opção. O investimento mínimo é de R$ 30 e, apesar de não ter FGC, a garantia é o próprio governo brasileiro, o que minimiza o risco.

Leitura recomendada: Tesouro Direto: investimento que todo brasileiro deve fazer

Os investidores com condições de aplicar até R$ 50 mil contam com opções de produtos mais atrativos, como o Certificado de Depósito Bancário (CDB). O CDB é um título emitido pelos bancos onde o investidor “empresta” dinheiro para a instituição e recebe em troca o pagamento de juros desse empréstimo.

Os bancos menores costumam oferecer taxas mais atraentes, já que eles têm mais risco de quebrar e não captam clientes com a mesma facilidade dos bancos grandes e mais conhecidos. Geralmente, é possível investir a partir de R$ 100, mas vale destacar que a negociação antes do vencimento implica na perda de parte da remuneração.

Já a Letra de Crédito Imobiliário (LCI) e a Letra de Crédito do Agronegócio (LCA) são dois tipos de investimento em renda fixa que costumam garantir retornos bem superiores ao da caderneta de poupança. A principal vantagem é a isenção de Imposto de Renda, enquanto a desvantagem são os prazos de vencimento mais longos.

Com a liquidez um pouco menor – o título só pode ser resgatado no vencimento e o dinheiro fica sem acesso até lá – essas opções são mais indicadas para médios e grandes investidores.

Foto “Protecting money”, Shutterstock.

Isabella Abreu
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários