Home Economia e Política Powell diz não estar “confiante” de que política monetária do Fed está rígida o suficiente

Powell diz não estar “confiante” de que política monetária do Fed está rígida o suficiente

Em outra questão estrutural importante, Powell disse que é "muito cedo" para saber se o mundo de taxas de juros baixas

por Reuters
0 comentário
Jerome Powell

As autoridades do Federal Reserve “não estão confiantes” de que a taxa de juros esteja alta o suficiente para encerrar a batalha contra a inflação, e avaliam que pode estar chegando ao fim a ajuda que podem esperar nesse processo de melhorias na oferta de bens, serviços e mão de obra, disse o chair do banco central norte-americano, Jerome Powell, nesta quinta-feira.

Em comentários mais significativos na sinalização de algumas das visões emergentes do chefe do Fed sobre mudanças econômicas estruturais após a pandemia, Powell disse que o banco central “está comprometido em alcançar uma postura de política monetária que seja suficientemente restritiva para reduzir a inflação para 2% ao longo do tempo; não estamos confiantes de que alcançamos essa postura”.

“Se for apropriado apertar ainda mais a política monetária, não hesitaremos em fazê-lo”, disse Powell em uma conferência de pesquisa do Fundo Monetário Internacional.

Ele acrescentou que outras medidas de política monetária serão conduzidas “cuidadosamente… permitindo-nos abordar tanto o risco de sermos enganados por alguns bons meses de dados quanto o risco de apertar demais. Estamos tomando decisões reunião por reunião”.

Ainda que as falas de Powell sobre a perspectiva imediata para a política monetária não tenham avançado muito em relação às suas declarações após a mais recente reunião do Fed, quanto as autoridades mantiveram a taxa em 5,25%-5,5%, elas aprofundaram suas opiniões sobre como a fase final da luta contra a inflação pode se desenrolar com mais “desinflação” possivelmente tendo que vir de uma desaceleração econômica.

O progresso na inflação até o momento tem sido relativamente livre de custos em termos de perda de empregos ou aumento do desemprego, ajudado por uma diminuição dos problemas da cadeia de suprimentos que se desenvolveram durante a pandemia, bem como por uma alta inesperada no número de pessoas disponíveis para aceitar empregos.

Mas “não está claro o quanto mais será alcançado por melhorias adicionais no lado da oferta”, disse Powell, um desdobramento que poderia marcar o fim desses ganhos relativamente indolores na redução da inflação.

No futuro, “pode ser que uma parcela maior do progresso na redução da inflação tenha que vir de uma política monetária apertada que restrinja o crescimento da demanda agregada”, afirmou Powell.

(Imagem: Divulgação/ Federal Reserve)
(Imagem: Divulgação/ Federal Reserve)

Em um prazo mais longo, disse ele, o Fed também pode ser menos capaz do que no passado de ignorar os choques de oferta como fonte de aumentos persistentes de preços, com a experiência da pandemia mostrando que “pode ser um desafio separar os choques de oferta dos choques de demanda em tempo real e também determinar por quanto tempo um ou outro persistirá”.

Powell afirmou que isso pode significar que, no futuro, os formuladores de política monetária estarão mais propensos a reagir a aumentos de preços impulsionados pela oferta do que estariam de outra forma, dada a tendência de “analisar” muitos problemas de oferta como provavelmente de curta duração em uma economia dinâmica.

“Os choques de oferta que têm um efeito persistente sobre a produção potencial podem exigir uma política monetária restritiva para alinhar melhor a demanda agregada com o nível suprimido de oferta agregada”, disse ele.

“A sequência de choques nas cadeias de suprimentos globais ocorridos de 2020 a 2022 suprimiu a produção por um período considerável e pode ter alterado persistentemente a dinâmica da oferta global.”

Em outra questão estrutural importante, Powell disse que é “muito cedo” para saber se o mundo de taxas de juros baixas e decrescentes que caracterizou as décadas anteriores à pandemia havia desaparecido definitivamente, mas esse será o foco da próxima revisão de arcabouço do Fed, a ser iniciada no final do próximo ano.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Mail Dinheirama

Faça parte da nossa rede “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2023 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.