Pra ter dinheiro é preciso ter compromissoAline comenta: “Navarro, uma das coisas que mais me irrita nos amigos é a atitude irresponsável diante do dinheiro. Gente que gasta muito dinheiro com bobagem, acha ruim quando tento alertar para a importância de respeitar as finanças e faz questão de ostentar um padrão de vida totalmente incompatível com sua renda. No fundo, acho tudo isso muito triste. O que você acha de situações assim? Obrigada”.

Infelizmente, há uma confusão muito comum quando o assunto é planejamento financeiro: quem costuma pregar que os “pão duros” são escravos do dinheiro geralmente são os amigos endividados e cujo patrimônio está quase todo amarrado a dívidas ainda não pagas e cujas parcelas ainda vão muito longe – este sim os verdadeiros servos do capital.

Aqueles que só conseguem ter alguma coisa usando o dinheiro dos outros, sempre contando com horas extras e um milagre para pagar a parcela do mês não admitem, mas dependem mais do dinheiro do que gostariam.

O perigo vem da decisão emocional de tentar esconder dos amigos a situação. A disposição de criar uma vida de ilusão surge como tentativa de mascarar a realidade: “Eu mantenho o estilo de vida, continuo saindo e fazendo as mesmas coisas, assim ninguém perceberá nada”. O pensamento até faz sentido, mas é cruel e perigoso. A crença que o constrói é falsa e criada apenas como uma “muleta” para a situação real.

O enganado é quem tenta enganar

Quem vive sustentando aparências para evitar que sua realidade venha à tona demora a perceber que, na realidade, os únicos (e verdadeiros) prejudicados com esta decisão são ele mesmo e sua família.

Ocorre que o dinheiro passa a ser um assunto tenso, difícil, associado a uma situação de vida que o endividado quer evitar. Assim, logo falar sobre as finanças se torna algo desagradável porque o tema passa a estar associado a problemas, falta de recursos e contas, muitas contas.

A reação imediata é, portanto, repelir aqueles que respeitam o dinheiro e fazem o que este indivíduo deveria fazer. Vem a prova cabal de que jamais deixaremos de ser as mesmas crianças birrentas de tempos atrás: em uma clássica atitude infantil, preferimos atacar quem lida com seu dinheiro da forma como nós deveríamos fazê-lo. Puro “mimimi”.

Para ter dinheiro é preciso ter compromisso

O mais importante na relação com o dinheiro não são as ferramentas que usamos para controlá-lo, nem os investimentos que dispomos para multiplicá-lo. O que mais interessa é nosso compromisso com o dinheiro como ferramenta de qualidade de vida e conquista de objetivos.

Reconhecer o dinheiro como uma das bases de uma família completa, feliz, torna o convívio social e a realização de sonhos muito mais saudáveis e eficientes. O que quero dizer é que o dinheiro é (e sempre será) parte de nosso cotidiano e que não há a opção de não respeitá-lo.

Ou você acha que alguém vai, deliberada e conscientemente, decidir que seu projeto de vida é passar a maior parte do tempo endividado, sendo cobrado pelo telefone todos os dias, com o nome sujo e sem conseguir enriquecer. Pois é, ninguém deseja isso para si o para sua família.

Acontece que se não decidirmos encarar as finanças pessoais como uma tarefa a ser diagnosticada, compartilhada, executada e acompanhada, o que estamos fazendo é justamente tomando o caminho apresentado no parágrafo anterior. Quanta gente faz isso, não é mesmo?

Se você não sabe por onde começar, apenas comece. Reúna a família, organize uma reunião para abrirem o jogo em relação ao dinheiro, façam uma lista das dívidas que vocês possuem, experimentem algumas planilhas de orçamento, criem responsabilidades para o dia a dia financeiro da casa e por ai vai. Tome um lado e faça algo.

Insisto. São duas as opções: ter compromisso com o dinheiro ou virar escravo dele. Deixar para depois, esperar aquela promoção, esperar até que o cônjuge consiga um novo emprego ou qualquer outra escolha que signifique adiar essa relação recaem sobre a segunda alternativa.

O interessante é que sempre temos poder de decisão e a última palavra é sempre nossa. Ser livre ou escravo era um dilema de vida imposto por condições fora de nossa realidade; hoje, quem decide isso somos nós, sou eu, você e a sociedade como um todo, especialmente quando o assunto é dinheiro.

Você concorda com a minha visão? Quer complementar com alguma experiência pessoal? Deixe seu comentário no espaço abaixo ou fale comigo no Twitter – sou o @Navarro por lá. Até a próxima.

Foto de freedigitalphotos.net.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários