Pegar dinheiro emprestado: quem é que alguma vez não precisou fazer algo assim? E aí pode ter apelado a algum amigo ou familiar, ao banco, ao cartão de crédito, ao cheque especial, enfim.. aqui no Dinheirama sempre procuramos alertar sobre o quanto este tipo de coisa pode postergar a ascensão financeira e atrapalhar a vida se for feito com frequência, por isso, é preciso muito cuidado antes de simplesmente sair por aí usando um dinheiro que você terá que devolver com juros e correção monetária!

Mas, claro, eu entendo que há momentos em que é necessário, tal como a perda de um emprego, uma doença inesperada, um investimento emergencial em educação, o conserto do carro que quebrou de uma hora para a outra, e etc. Avalie bem! Se for o caso de fazer um empréstimo, saiba que atualmente está ainda mais fácil comparar opções no lugar de simplesmente pegar aquele crédito disponível no banco ou ir rolando o pagamento do cartão. Vamos falar um pouco sobre isso?

Leia também: Não se engane! Você precisa acabar com as dívidas se quiser prosperar

Chega de comodismo

Quem precisa de um dinheiro extra e já viu que não tem alternativa a não ser pegar emprestado, deve abrir mão do comodismo na hora de pesquisar, e considerar que há diferentes tipos de crédito no mercado. No site do Banco Central dá para saber a taxa de juros média que cada instituição cobra de acordo com a modalidade.

Só para se ter ideia, caro leitor, na mesma tabela do BC referente a fevereiro deste ano, a taxa de cheque especial para pessoa física variava de 7,78% ao ano para 510,62% ao ano, dependendo da instituição financeira. Já um crédito pessoal consignado variava de 15,39% ao ano para 986,45% ao ano, também de acordo com a instituição. Dá para acreditar nisso?

Pois então, você já viu que não dá para abrir mão de ao menos alguns minutos de pesquisa antes de partir para a ação, não é mesmo?! E antes de aceitar a primeira oferta, negocie com as informações que tiver em mãos. Muitas vezes, dentro do próprio banco em que se pegou dinheiro emprestado, é possível negociar taxas muito mais baixas.

Leia também: Renegociar suas dívidas é tão importante quanto aprender a evitá-las

Tenha em mente que há modalidades melhores e piores

De forma geral, mesmo quem não entende nada de finanças (e sabemos que não é seu caso, pois está aqui acompanhando o Dinheirama e procurando aprender cada vez mais), deve considerar alguns pontos importantes na hora de negociar. E isto significa entender que há opções melhores e piores no mercado, não apenas relacionadas às instituições, mas às modalidades.

Entre as opções com as taxas mais baixas estão os financiamentos de imóvel, carros e determinados bens, assim como o crédito consignado. Não é difícil explicar porque isso ocorre, afinal, se você não paga um carro que financiou, por exemplo, acaba tendo que dar o próprio carro como garantia, e isso vale para outras coisas também. No caso do consignado, o dinheiro sai direto do salário, portanto, o risco também é muito menor para quem empresta, e a taxa costuma ir lá para baixo por conta disso.

Por outro lado, o crédito rotativo no cartão e o cheque especial costumam ser alternativas bastante caras, e o ideal, caso não possa apelar para um consignado por exemplo, é verificar outras opções, como o empréstimo pessoal. Lembre-se que uma pesquisa inicial pode salvá-lo de sair rolando feito uma bola de neve.

Leia também: 11 super dicas para renegociar as dívidas com os bancos

Fique de olho nas startups

Outra coisa que também deve ser considerada por quem está precisando de crédito são as fintechs que têm como propósito emprestar ou intermediar o empréstimo. Cada vez mais, estas startups do mercado financeiro têm ocupado o lugar de instituições tradicionais quando se fala em concessão de crédito. Tudo com menor burocracia e maior facilidade de pesquisar online mesmo as alternativas. A tecnologia, aliás, é uma ótima aliada para facilitar a busca inicial de opções. Uma sugestão é dar uma olhada no site Comparaonline, que compara as alternativas de empréstimo pessoal e cartão de crédito de acordo com o tipo de cliente, a companhia e o valor.

Em 2017, só para se ter ideia, segundo o Radar Fintech Lab, já havia 33 startups competindo na área de crédito. Juntas, até então, elas haviam emprestado mais de R$ 260 milhões para pessoas físicas e jurídicas. Nada mau, não é mesmo? O interessante é que dá para usar o serviço 24 horas por dia, afinal, é virtual, e você conhece saber rapidamente se vai ter um limite aprovado e quais as taxas a serem cobradas por ele.

O que quero dizer com este artigo é que não dá para pegar dinheiro emprestado sem pesquisar. Atualmente, é possível contar com opções que não havia anos atrás, por isso é fundamental comparar se não quiser fazer as piores escolhas. No caso das fintechs de crédito, selecionei 5 com foco em empréstimo para pessoa física. Dê uma olhada também e, da próxima vez que pensar em usar imediatamente o cheque especial ou algo do tipo, lembre-se deste artigo, combinado? Seu bolso vai agradecer imensamente!

Janaína Gimael
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários