Existe uma parte de nosso orçamento pessoal que é atingida em grande parte pelas emoções. E os sentimentos podem ser positivos (em sua maioria), mas também negativos.

Falo dos momentos em que você decide (ou precisa) presentear outra pessoa.

Na maior parte dos casos, comprar um presente para alguém é algo positivo e agradável. É um momento onde estamos buscando materializar aquilo que a outra pessoa representa para nós.

Por outro lado, você também pode se ver “forçado” a ter que comprar algo para uma pessoa que você nem aprecia tanto, mas que por uma questão social ou para evitar constrangimentos decide fazê-lo.

Independente de qual seja o motivo, este é um processo que envolve o uso de recursos financeiros, e como tal, precisamos ponderar sobre algumas coisas para fazermos isso dentro do nosso orçamento.

Ferramenta recomendada: Controle seu orçamento com esta planilha

Emoção x compras

Já sabemos que nos processos de compra e venda, há uma grande parcela emocional na tomada de decisão.

Uma área relativamente nova das finanças, a chamada “Economia Comportamental”, explica que, apesar de sermos seres racionais, nosso relacionamento com o dinheiro ocorre de forma estranha, ou nada racional.

Quando as compras envolvem valores elevados (automóveis ou uma casa, por exemplo) costumamos refletir bastante. Alguns montam por escrito aquela famosa lista de prós e contras, e assim analisam em detalhes todos os pontos envolvidos antes de exercer seu poder de escolha.

E entre os motivos, lá estão as nossas emoções, bem presentes, seja para nossa alegria ou para o nosso desespero. Afinal, costuma haver um abismo (muitas vezes profundo) entre o “querer” e o “poder”, e as emoções criam uma perigosa “ponte fictícia” entre eles.

Quando o assunto são os presentes, muitas vezes ficamos numa verdadeira “saia justa” sobre o que fazer. Situações como presentear seus afiliados de casamento, ou aquele seu amigo rico (sendo você alguém com menos posses), podem ser motivos de preocupação e vergonha.

Leitura recomendada:  Como seu cérebro te engana quando o assunto é dinheiro

Algumas ideias que respeitam o seu orçamento

Vamos agora para o lado prático da coisa, visando o bem estar do seu bolso. Ao presentear alguém, independente da situação, considere primeiro o seu orçamento.

Não faz sentido você comprar um presente para alguém e depois ficar em apuros financeiros por causa disso. Você também não precisa aparecer de mãos vazias. E como resolver isso? De forma criativa e inteligente.

Talvez você tenha habilidades para criar um presente com algumas coisas que você já tenha em mãos. Pense em objetos baratos (e até usados) que possam receber alguma personalização de sua parte.

Uma caixa porta-objetos, uma caneca, ou uma foto ampliada, todos assinados por você e pelos demais membros de sua família, incluindo uma mensagem de carinho, são alguns exemplos.

Se você tiver dom para a escrita, poderá escrever uma carta à moda antiga, expressando seus sentimentos e emoções em relação àquela pessoa. Coloque numa caixinha de papel junto com um chocolate, ou outro quitute, por exemplo.

Quem receber o presente vai perceber que você fez aquilo tudo com zelo e dedicação, doando algo muito valioso que o próprio dinheiro: o seu tempo.

Leitura recomendadaDia das Crianças: lições para presentear com amor, cidadania e valores

Presentes caros podem ser compartilhados

Nos casos mais complicados, como os presentes de casamento, você pode se unir com outras pessoas e juntos, comprarem algo mais caro e expressivo para os noivos.

Assim, todos os que estiverem em situação financeira limitada poderão presentear. O resultado final será positivo para todos.

Um presente barato, significativo, e que transforma vidas

Agora vou deixar uma dica de presente que eu considero a melhor, por reunir alguns bons atributos:

  • Preço baixo;
  • Durabilidade;
  • Forte impacto na vida do presentado;
  • Demonstração de inteligência por parte do doador;
  • Possibilidade de ser doado depois para outros, impactando mais vidas;
  • Fácil de ser encontrado e comprado;
  • Portátil, podendo ser usado em muitos lugares.

Estou falando dos livros! Eu adoro ganhar livros e de igual forma, penso que eles são uma ótima opção de presente.

Só que a escolha precisa ser bem feita. Você precisa ser perspicaz para investigar e descobrir algumas preferências sobre o presenteado.

Desde um clássico sobre o assunto de predileto da pessoa, até um raro exemplar usado, que pode ser encontrado em um sebo, um bom livro contém palavras capazes de transformar completamente a vida de uma pessoa, gerando um impacto positivo inesquecível!

Vídeo recomendado:  Aprenda finanças, empreendedorismo e liderança lendo bons livros

Conclusão

O importante, no final das contas, é que você encontre uma forma interessante de expressar a sua afeição em relação ao presenteado, sem que isso gere problemas financeiros para você.

Afinal, os presentes são símbolos de algo que é impossível de ser mensurado ou materializado, que é o valor de uma verdadeira amizade, de um profundo amor, ou de ambos.

Tem sugestões de presentes bons e baratos? Compartilhe com a gente aqui nos comentários! Um grande abraço e até a próxima!

Giovanni Coutinho
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários