Passado o 1º de maio, a presidente Dilma Rousseff quebrou a tradição e não foi para a TV em rede nacional falar com a população. Nessa ocasião, a presidente preferiu se comunicar via redes sociais, fugindo ao pânico de um novo panelaço, também em rede nacional, e de não ter nada para comemorar, ou mesmo para anunciar.

A presidente Dilma parece acusar logo no início de seu segundo mandato os efeitos de sua campanha à reeleição, quando disse que não faria quase tudo o que está fazendo. Seguiu os marqueteiros e seus áulicos e depois teve que ceder à realidade e necessidade de promover ajustes na economia, como seguidamente falaram quase todos os economistas.

Além disso, entrou em choque com o Legislativo, sofreu algumas derrotas importantes e ainda contou com a “fúria” dos presidentes do Senado e da Câmara, pródigos em criticar a atuação do governo, incluída aí a quebra de tradição de presidentes falarem em rede nacional de TV nas comemorações do Dia do Trabalho.

A presidente, evidentemente, também não compareceu a nenhuma comemoração pública, como o encontro no Vale do Anhangabaú, em São Paulo. Realmente ela não tem nada para comemorar e não pode antecipar nenhuma medida favorável aos trabalhadores, principalmente aqueles que dependem da aprovação do legislativo.

O IBGE anotou que a taxa de desemprego do mês de março subiu para 6,2%, vindo no mês anterior de 5,9%, e a renda real do trabalhador encolheu 2,8%, a pior performance desde maio de 2011. A inflação oficial medida pelo IPCA só faz subir nos diferentes cenários, atingindo previsão de 8,26%, segundo a última pesquisa Focus semanal do Bacen.

O PIB estimado para 2015 também não para de cair e, segundo a mesma pesquisa, deve ser negativo em 1,18% em 2015, estimativa que parece modesta, assim como a previsão de crescimento de 1,0% em 2016, que pode arrefecer.

De forma semelhante, o Bacen anunciou superávit primário de R$ 19 bilhões no primeiro trimestre, mas o déficit nominal (depois de pagamento de juros) em 12 meses chegou a R$ 435,7 bilhões, algo próximo de 8% do PIB, com a dívida bruta ao redor de R$ 3,5 trilhões.

Não é por outra razão que o FMI diagnosticou que o país teve o pior desempenho em mais de duas décadas, mas destacando os esforços sobre os ajustes, ajustes esses que estão demorando muito a sair, e que até aqui se fazem muito mais pelo aumento de receitas que por cortes de gastos.

Nesse momento, a despeito de todo o empenho do ministro Joaquim Levy, começam a surgir dúvidas sobre os cortes requeridos, já que tanto o Congresso Nacional, como diferentes membros do novo ministério de Dilma parecem algo avessos a isso (cortes).

Quanto mais não seja, a demora na aprovação de medidas acaba colocando em risco a meta de superávit primário de 1,2% do PIB em 2015, sem que haja o auxilio “luxuoso” de mais tributos ou de concessões aceleradas pelo Governo. O Ministro da Fazenda Joaquim Levy  segue sendo o fiador das reformas, mas sofre desgastes em função do retardo de cortes de gastos com custeio e brechas abertas como o fundo partidário e outras despesas.

Apesar do reconhecimento das dificuldades para ajuste da economia, a liquidez internacional segue produzindo bons fluxos para a Bovespa e para o país. Até o último dia 28/04 a Bovespa tinha registrado ingresso de investidores estrangeiros em 2015 de R$ 17,5 bilhões, o mesmo acontecendo no segmento de renda fixa, aproveitando as taxas de juros elevadas. Porém, no que tange aos recursos de origem de mais longo prazo, os investidores seguem relutantes e aguardando as mudanças.

Mesmo com tudo isso e mais a melhora de preços das commodities no mercado internacional, ainda contamos com enorme volatilidade nos mercados de risco, e é exatamente por isso que seguimos recomendando prudência na assunção de risco, indicando a destinação de boa parte dos recursos para fundos de investimentos, onde os gestores lidam diariamente com todo o volume de informação, avaliam e alteram suas alocações.

Você pode acessar o site da Órama e buscar alternativas condizentes com suas expectativas de risco e retorno almejados. Dá uma passada por lá. Até a próxima!

Nota: Esta coluna é mantida pela Órama, que contribui para que os leitores do Dinheirama tenham acesso a conteúdo gratuito de qualidade.

Alvaro Bandeira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários