Um dos ditos populares mais antigos já diz que “prevenir é melhor do que remediar”. Sábias palavras que vem desde a época dos nossos avós, ou até dos avós dos nossos avós, quem sabe? Contudo, mesmo após décadas presente no nosso dia a dia, o número de pessoas que teima em não colocar em prática esse ensinamento secular só aumenta.

Uma lição tão importante e verídica que vale para tudo na vida, inclusive nossas finanças. Sei que muitas pessoas têm aversão a esse tema, afinal de contas, lidar com números é um trauma que nos acompanha desde as aulas de álgebra do colégio, onde tínhamos que aprender sobre logaritmos e outras coisas sem a menor serventia.

Porém, nós crescemos, e junto com isso cresceram também nossos problemas. Não são mais as contas de matemática que precisávamos fazer para tirar boas notas que nos apavoram. Agora, as contas são outras, mas tão apavorantes quanto os mais difíceis exercícios da época de colégio.

Água, luz, aluguel, condomínio, prestação do carro, da casa, escola dos filhos… É conta que não acaba mais. A vida de adulto nos impõe uma série de responsabilidades que enquanto jovens não conhecemos. Boa parte delas diz respeito a compromissos financeiros.

Infelizmente, muitas pessoas não se dão conta disso e acham que podem agir como faziam na época da escola, quando tiravam notas baixas o ano todo, estudavam apenas na época da recuperação e conseguiam passar de ano com a nota mínima (ou quase isso).

Naquela época, para algumas pessoas compensava mais remediar do que prevenir. Afinal de contas, para quem não gosta de estudar, vale mais a pena estudar um mês do que o ano inteiro, certo? Porém, quando trazemos essa mesma lógica para nossa vida financeira, a coisa muda de figura.

Leitura recomendada: 7 Armadilhas que podem arruinar sua vida financeira (e como evitá-las)

À medida que perdemos o controle das nossas finanças, começamos a nos endividar além da conta. Quando caímos na real, o dinheiro que ganhamos ao fim do mês não é mais suficiente para arcar com nossos compromissos.

Quer seja nas finanças ou em qualquer outro aspecto da vida, quando não nos planejamos, ficamos a mercê da sorte, do acaso. Ao fazer isso, entregamos ao destino o nosso futuro. Pode ser que as coisas deem certo? Com certeza! É provável que as coisas deem certo? Evidentemente não!

Se você já está com problemas financeiros, comece a procurar soluções ainda hoje para eles. Quanto antes resolvê-los, melhor para você e para seu bolso. Lembre-se: problemas financeiros implicam em juros, multa e muita dor de cabeça. Você não quer isso para sua vida, quer?

Mas se você ainda não está com problemas nessa área, não espere eles aparecerem para agir. Organize seu orçamento, defina suas metas, poupe uma parte dos ganhos e trace seu planejamento financeiro.

Afinal de contas, ter uma vida financeira organizada é a melhor maneira de evitar problemas futuros. Se não quiser acreditar em mim, tudo bem, mas acredite nos seus avós. Lembre que não é de hoje que eles dizem: “prevenir é melhor do que remediar”.

Foto “Pretty elderly woman”, Shutterstock.

Samuel Magalhães
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários