Previdência privada, VGBL e PGBL: entenda o básicoComo sempre, fim de ano a previdência entra na pauta do dia. Afinal, o prazo para vencimento do prazo para abatimento no acerto de contas com o Imposto de Renda do ano seguinte é o dia 20 de dezembro.

Para o caso dos funcionários da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, este fim de ano é particularmente crítico, pois o Governo do Estado extinguiu um dos fundos de previdência, deixando muitos deles perdidos, como foi o caso da minha irmã.

Tive, então, a oportunidade de discutir com ela o funcionamento dos planos de previdência privada, as diferenças entre PGBL e VGBL (aliás, quanta criatividade para criar siglas!), tabelas progressiva e regressiva, entre outros aspectos.

Previdência privada, VGBL e PGBL

Para quem não sabe, previdência privada é um complemento à previdência oficial (INSS) que, como temos acompanhado, paga cada vez menos aos contribuintes: a média dos vencimentos hoje não chega a R$ 1.000,00. A previdência privada tornou-se, então, importante alternativa para complementação de renda na hora da aposentadoria.

O problema agora é escolher qual o melhor plano para você. Em vez de tentar explicar o que significa cada coisa, vou tentar dar uma “receita de bolo” que funciona para a maioria das pessoas: se você faz a declaração completa do Imposto de Renda e sua previdência privada é de até 12% dos seus rendimentos, faça uma previdência no formato PGBL.

E o Imposto de Renda?

Caso faça a declaração simplificada, e para valores superiores a 12%, o melhor é o VGBL. Note: se você for contribuir com mais de 12%, mas faz declaração completa de Imposto de Renda, faça um PGBL de 12% do seu rendimento e um VGBL para o restante.

Com relação à tabela regressiva ou progressiva, a regressiva vale a pena para quem pretende ter renda após a aposentadoria ou, pelo menos, deixar o dinheiro acumulando por 8 anos ou mais. Se você pretende acumular para sacar daqui a, digamos, 3 anos, opte pela tabela progressiva.

E as taxas cobradas?

Por fim, ao escolher seu plano de previdência, observe as taxas de administração, carregamento, dentre outras: taxas altas corroem seu dinheiro. Sobre isso recomendo a leitura do ótimo artigo “Você, sua aposentadoria e o impacto dos juros baixos na previdência privada”, escrito pelo Conrado Navarro. Até a próxima.

Foto “Happy retirement”, Shutterstock.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários