Previsão para PIB cai para menos de 3% este anoAs projeções de crescimento da economia foram revisadas por bancos e consultorias e agora apresentam previsões abaixo de 3% para o Produto Interno Bruto (PIB) de 2013. A nova perspectiva se deu após o IBGE divulgar uma recuperação da indústria em março abaixo do que era esperado.

Os analistas ficaram mais pessimistas a partir do desempenho inferior apresentado no primeiro trimestre. Os números da produção industrial e a piora em indicadores de consumo e da balança comercial levaram à revisão de algumas projeções. Em 2012, o PIB cresceu apenas 0,9% e as projeções para este ano chegavam a 4%.

O Bradesco reduziu de 3,5% para 2,8% a estimativa de expansão do PIB neste ano e de 4% para 3,5% em 2014.

“Nossa revisão para o crescimento doméstico foi influenciada pela incorporação recente de resultados mais fracos do que esperávamos da atividade econômica”, afirmou em relatório Octavio de Barros, diretor de pesquisas e estudos econômicos do Bradesco.

A consultoria Tendências, por sua vez, apontava expansão de 1,1% no primeiro trimestre ante os três meses anteriores, número que está sendo revisto e deve ficar entre 0,8% e 0,9%. Na comparação anual, a estimativa caiu de 2,2% para 2%. “Temos visto uma indústria errática e com sinais de recuperação lenta”, argumentou Alessandra Ribeiro, economista da Tendências.

Silvia Matos, economista do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre/FGV), também identificou piora no cenário nacional e reduziu sua expectativa de 2,9% para 2,7%. Segundo ela, “há chances de nova revisão, dependendo principalmente do desempenho do setor de serviços”, a ser divulgado.

O economista-chefe da MB Associados, Sergio Vale, foi outro especialista que se mostrou pessimista diante dos resultados divulgados. Ele trabalhava desde junho com alta de 3% do PIB, mas revisou o índice para 2,5% há um mês. “Os dados fracos da indústria, aliados aos do comércio e serviços, podem trazer uma surpresa negativa”, afirmou.

Há também quem não tenha mudado as projeções, como é o caso da economista do Santander, Fernanda Consorte. “O cenário mostra que deveremos ver ao longo do ano as altas se alternando com as baixas”, disse a especialista.

Com a leve alta de 0,7% da produção industrial em março ante o mês anterior, alguns especialistas acreditam que o esboço de retomada é frágil e é preciso ter cautela neste cenário.

“A indústria mostra melhora neste início de ano, mas não quer dizer que vai muito bem. Ainda há uma distância a ser percorrida em relação aos patamares em que o setor já operou”, afirma André Macedo, técnico do IBGE. Para ele, há uma diferença de 3,7% entre o dado de março e o de maio de 2011, patamar recorde.

Setores sustentam alta

A alta do mês atingiu 13 dos 27 setores analisados pelo IBGE. A indústria de veículos teve a maior influência positiva: a produção subiu 5,1% em março, eliminando parte da queda de 8,1% verificada no mês anterior.

Rodrigo Nishida, economista da consultoria LCA, ressalta o desempenho positivo da produção de bens de capital (máquinas e equipamentos), o que sinaliza retomada dos investimentos. “Em 2012, foi exatamente esse setor que puxou o resultado para baixo”, afirmou. O setor teve alta de 11,7% nos três primeiros meses do ano, considerando as taxas acumuladas por mês.

Já a indústria de alimentos teve o pior desempenho, marcando o maior peso negativo no resultado, com queda acumulada de 4% nos últimos dois meses da pesquisa. Os principais motivos para a retração foram a inflação em alta e as exportações menores.

Fontes: Folha | R7. Foto de freedigitalphotos.net.

Willian Binder
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários