Problema ou questão a resolver? O paradigma do desafioCerta vez ouvi um depoimento de uma mulher em uma reportagem sobre as dificuldades cotidianas dos brasileiros: “Minha filha, eu não tenho problemas! Eu tenho questões a resolver! E resolvo cada uma por vez!”. Essa resposta foi formidável, tanto que depois de muito tempo ainda lembro-me da expressão feliz e otimista daquela mulher. Será que a chave desse modo de viver a vida seria seu bom humor? Esse lado otimista abriria novas formas de lidar com as dificuldades? Acredito que sim.

Agora eu pergunto para você, estimado leitor: você tem problemas ou questões a resolver? Podem parecer somente maneiras diferentes de falar a mesma coisa. Não! São coisas bem diferentes, afinal o modo como encaramos nossos desafios define nossas condutas, nossas reações e as nossas estratégias para solucioná-las.

Como viver é também administrar alguns “resultados indesejados”, seria bem melhor para nossa saúde e bem estar se tais desvios fossem encarados como situações que levam a um ponto de partida para indagações; o resultado desse procedimento seria a aprendizagem, como sugeriu John Dewey em 1939. Deste modo podemos sistematizar idéias e antecipar soluções, diminuindo a carga emocional negativa que acompanha os inevitáveis problemas!

Qual o estado do problema?
O livro “Transformando Conhecimentos em Resultados” (Clio Editora), dos escritores Beatriz Muñoz-Seca e Josep Riverola, sugere que devemos analisar o estado do problema de forma que sua descrição leve em conta todos os elementos de seu histórico. Assim, seremos capazes de representar o problema projetando-o em algum domínio de conhecimento como a matemática, o desenho ou a escrita. É colar as idéias no papel para tornar tangível o que nos incomoda.

Essa estruturação deixa a situação mais clara e as chances de encontrar uma solução mais rápida e adequada aumentam. É claro que essa técnica não será capaz de responder a todas as nossas questões, mas não deixa de ser uma opção interessante.

O paradigma do desafio
A nossa capacidade de resolver com eficiência nossos problemas/questões está ligada à nossa competência de buscar as melhores transformações e não cair nas armadilhas da ansiedade e do desespero. Logo, a proposta é simples e o desafio é grande: tentar encarar nossos maiores problemas como questões a serem resolvidas buscando mais clareza e discernimento para encontrar a melhor solução.

Outra análise interessante que deve ser feita em relação ao estado do problema é perceber a sua natureza[bb] e a sua freqüência de manifestação. Explico: quando é comum nos deparamos com situações onde o enredo é o mesmo, então algo está errado! Alguma coisa está errada com nossa conduta perante a vida. É momento de mudança de paradigma interior. Um bom começo é perguntar-se: “Por que isso está acontecendo de novo?”.

Como minhas emoções estão afetando meu cotidiano? Como posso perceber algo novo se estou preso ao meu velho paradigma? O que estou disposto a mudar para ver minha realidade de modo diferente? Como uma mudança nas minhas percepções vai mudar minha realidade? Ela ficará melhor? Diferente? As duas coisas? – Betsy Chasse

Problemas ou questões a resolver? Pense nisso e deixe seu comentário para que possamos continuar discutindo o assunto. Até a próxima.

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários