Home Economia e Política Produção industrial da China cresce 5,6% em maio

Produção industrial da China cresce 5,6% em maio

O investimento em manufatura nos primeiros cinco meses apresentou um crescimento robusto de 9,6%

por Reuters
0 comentário

A produção industrial de maio da China ficou aquém das expectativas e a desaceleração do setor imobiliário não mostrou sinais de abrandamento apesar de medidas de apoio, aumentando a pressão sobre Pequim para sustentar o crescimento.

Com exceção das vendas no varejo, que superaram as previsões devido a um feriado, a série de dados divulgados nesta segunda-feira foi, em grande parte, pessimista, ressaltando a dificuldade de recuperação para a segunda maior economia do mundo.

A produção industrial de maio cresceu 5,6% em relação ao ano anterior, mostraram os dados do Escritório Nacional de Estatísticas, desacelerando em relação ao ritmo de 6,7% em abril e abaixo das expectativas de um aumento de 6,0% em pesquisa da Reuters com analistas.

Entretanto, as vendas no varejo, um indicador do consumo, aumentaram 3,7% em maio sobre o ano anterior, acelerando em relação ao aumento de 2,3% em abril e marcando o crescimento mais rápido desde fevereiro. Analistas esperavam uma expansão de 3,0% devido a um feriado público de cinco dias no mês.

O investimento em ativos fixos aumentou 4,0% nos primeiros cinco meses de 2024 em relação ao mesmo período do ano anterior, em comparação com as expectativas de um aumento de 4,2%. Ele cresceu 4,2% no período de janeiro a abril.

O investimento em manufatura nos primeiros cinco meses apresentou um crescimento robusto de 9,6%, sustentado pela ênfase da China no “crescimento de qualidade” por meio de avanços tecnológicos e inovação neste ano.

Mas economistas alertaram que as crescentes tensões comerciais com o Ocidente sobre o chamado excesso de capacidade da China podem impor mais desafios aos produtores chineses de veículos elétricos e solares.

O investimento do setor privado cresceu 0,1% de janeiro a maio, abaixo dos 0,3% registrados nos primeiros quatro meses, indicando uma confiança ainda fraca entre as empresas privadas. Em comparação, o investimento no setor estatal aumentou 7,1% nos primeiros cinco meses.

A queda do mercado imobiliário da China, a dívida elevada dos governos locais e a pressão deflacionária continuam a ser grandes empecilhos para a atividade econômica. Os números mais recentes apontam para um crescimento desigual que reforça os pedidos por mais apoio das políticas fiscal e monetária.

A economia da China cresceu 5,3% no primeiro trimestre, mas analistas afirmam que a meta de crescimento anual do governo, de cerca de 5%, é ambiciosa, já que o setor imobiliário continua em baixa.

O investimento em imóveis caiu 10,1% entre janeiro e maio em relação ao ano anterior, aprofundando a queda de 9,8% registrada em janeiro-abril.

Os preços das casas novas caíram 0,7% em maio em relação a abril, marcando o 11º declínio mensal consecutivo e a queda mais acentuada desde outubro de 2014, de acordo com cálculos da Reuters baseados em dados da agência de Estatísticas.

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.