Home Economia e Política Produção industrial no Brasil cai 0,5% em abril, diz IBGE

Produção industrial no Brasil cai 0,5% em abril, diz IBGE

Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, a produção subiu 8,4%

por Reuters
0 comentário

A produção do setor industrial brasileiro iniciou o segundo trimestre com queda maior do que a esperada em abril e interrompendo dois meses seguidos de altas.

Em abril, a produção do setor teve recuo de 0,5% na comparação com o mês anterior, em resultado mais fraco do que a expectativa em pesquisa da Reuters de contração de 0,2%.

Os dados divulgados nesta quarta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostraram ainda que, na comparação o mesmo mês do ano anterior, a produção teve alta de 8,4%, contra expectativa de 8,3%.

Os resultados deixam o setor ainda 0,1% abaixo do patamar pré-pandemia, de fevereiro de 2020, e 16,8% abaixo do recorde alcançado em maio de 2011.

Analistas acreditam que a indústria brasileira deve continuar contribuindo pouco para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB). No primeiro trimestre, o setor teve contração de 0,1%, de acordo com os dados do PIB divulgados na véspera.

Uma demanda doméstica resiliente com um mercado de trabalho aquecido, condições financeiras e de crédito melhores e melhora da confiança dos empresários podem favorecer o setor, bem como a redução da taxa básica de juros Selic.

O IBGE destacou que em abril a principal influência negativa foi exercida pelas indústrias extrativas, com recuo de 3,4% na produção do mês devido à queda tanto do minério de ferro como do petróleo.

Também se destacaram os desempenhos de produtos alimentícios (-0,6%), de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-0,6%) e de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (-2,6%).

Na outra ponta, o destaque positivo foi a indústria automobilística, com alta de 13,2% da produção em abril.

“Esse movimento está relacionado ao mercado doméstico, influenciado pelo comportamento positivo do mercado de trabalho, com o aumento de pessoas ocupadas e da massa de rendimentos; flexibilização da política monetária com redução da taxa de juros; e queda da inadimplência”, explicou André Macedo, gerente da pesquisa.

Entre as categorias econômicas, a produção de Bens de Capital aumentou 3,5% e a de Bens de Consumo cresceu 0,2%, enquanto a de Bens Intermediários contraiu 1,2%.

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.