Profissionais infelizes com salários de até R$ 21 milEscolher qual carreira seguir é uma decisão delicada e que dá margem para diversas discussões sobre realização pessoal, salário e perspectivas profissionais. Afinal, melhor trabalhar com o que gosta ou com o que dá dinheiro?

Uma lista da Forbes, baseada em um estudo da Universidade de Chicago, buscou identificar justamente isso: quem são os profissionais que amam seu trabalho e os que não estão nada satisfeitos com os empregos que escolheram.

No Brasil, o R7 levantou quanto é o salário das profissões mais infelizes divulgadas pela pesquisa. Para o espanto de muita gente, alguns desses profissionais têm ganhos mensais que chegam a R$ 21 mil.

Veja abaixo quem são e quanto ganham os profissionais mais infelizes no mercado de trabalho.

10. Gerente de marketing

Responsável por coordenar serviços de marketing na empresa, o gerente de marketing tem salário de R$ 20.918,46, de acordo com a Catho. Suas atividades na empresa geralmente englobam desenvolvimento de projetos de novos produtos e serviços, proposta de ações de venda e elaboração de projetos e programas de publicidade e propaganda.

9. Operador de controle numérico

A nona profissão mais infeliz no mercado pode ter mesmo motivos financeiros para reclamar, os salários no Brasil chegam a R$ 1.754,20. O operador de controle numérico computadorizado realiza leitura e interpretação de desenhos, faz inspeções e outras atividades.

8. Analista técnico de suporte

Eles são encarregados das análises, estudos, seleções, planejamento, instalação, implantação e manutenção de software básico e de apoio como sistemas operacionais, banco de dados, teleprocessamento e correlatos. O salário também pode não agradar alguns: R$ 1.966,57.

7. Assistente judicial

Os auxiliares em atividades jurídicas também estão entre os profissionais poucos motivados pelo emprego que têm. Em sua rotina diária, cabe a eles pesquisar e selecionar textos e informações de interesse. O salário médio é de R$ 1.638,83.

6. Técnico em eletrônica

Segundo a Catho, o técnico em eletrônica pode receber R$ 2.624,23 ao mês no Brasil para executar serviços de manutenção preventiva e corretiva em equipamentos. Sobretudo, ele também deve elaborar relatórios de gastos e das tarefas realizas.

5. Especialista técnico

Este profissional, que recebe em média R$ 3.063 no Brasil, atua com liderança de equipe e gestão de projetos de automação, desenvolvimento de especificações técnicas e programação de CLP.

4. Desenvolvedor de web sênior

Mais outra profissão relacionada à tecnologia está entre os mais insatisfeitos. O desenvolvedor de web cria e atualiza conteúdo de novos sites, além de desenvolver campanhas, banners, animações, newsletters, folders e logotipos. A remuneração destes profissionais é em média R$ 3.408,07.

3. Gerente de produtos

A rotina de desenvolver novos produtos e analisar e atualizar portfólios parece não ser nada inspiradora para gerentes de produtos. A terceira profissão mais infeliz ainda deve traçar metas de desenvolvimento e vendas, mas seus ganhos mensais chegam a R$ 9.798,18.

2. Diretor de vendas e marketing

A Forbes aponta os diretores de vendas e marketing como uns dos mais infelizes no mercado atual. Eles devem desenvolver estratégias para a introdução de produtos no mercado, acompanhar clientes e emitir relatórios. Mesmo insatisfeitos, eles recebem todo mês um quantia próxima de R$ 20.918,46.

1. Diretor de tecnologia da informação

Como a lista pareceu nos mostrar desde o início, o profissional mais infeliz atua na área de tecnologia de informação. O diretor de tecnologia da informação é responsável por dirigir, coordenar e implementar o Plano Diretor de Informática de uma empresa. Os mais infelizes tem um piso salarial de R$ 18.418,01.

Que tal? Você concorda com os resultados da pesquisa? Tem algum testemunho pessoal sobre alguma dessas profissões? Use o espaço de comentários e deixe sua opinião. Até a próxima.

Fonte: R7. Foto de freedigitalphotos.net.

Willian Binder
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários