Propaganda e as crianças: estimule sua capacidade críticaO envolvimento das crianças com a mídia e o ato de consumir se iniciam mesmo antes de elas aprenderem a ler ou a escrever. É, segundo Bauman, “a instalação do papel social de consumidor”. Esse autor alerta que esse novo modelo de sociedade é cheio de forças coercitivas que levam seus integrantes a se ajustarem aos valores do mercado. A questão é o número cada vez maior de crianças e adolescentes ingressando em um modelo altamente consumista.

O apelo social do ”ter para ser aceito” acaba fazendo de muitos pré-adolescentes reféns de uma vida para o consumo. Esse processo complica ainda mais a conturbada fase de construção da identidade pessoal e ingresso na vida adulta. O foco do artigo de hoje é a influência que a propaganda exerce sobre crianças e adolescentes e qual o papel dos pais e/ou responsáveis na formação de um consumidor responsável.

A consultora financeira Susanna Stuart, autora do livro “Ensine seu Filho a Cuidar do Dinheiro” (Ed. Gente), fala sobre alguns fatores que elevaram a pressão pelo consumo e o aumento do marketing direcionado ao público infantil nas últimas décadas:

  • A opção por ter filhos mais tarde: com a carreira profissional dos pais encaminhada, o bebê crescerá em um cenário financeiro melhor;
  • O número menor de filhos por casal: maior dedicação e gastos com cada criança;
  • Pais ocupados e filhos mais sozinhos: maior tempo em frente à TV ou computador[bb] e idas freqüentes aos shoppings para lanches e compras;
  • Menos filhos, mais recursos: menos tempo e inclusão das crianças nas decisões financeiras da família.

Essa tendência é muito perigosa, pois pode causar danos à construção dos valores morais e éticos de nossas crianças e adolescentes. Principalmente nas crianças até 7 anos, pois elas não possuem capacidade cognitiva suficiente para distinguir as mensagens passadas através da mídia. Conseqüentemente, o poder de decisão é pequeno.

O posicionamento dos pais é essencial
O que fazer se estamos inseridos nessa sociedade e diversas vezes cedemos aos apelos do consumo pelo consumo? Se nós adultos acabamos atendendo aos nossos desejos e satisfazendo nossas vontades, o que dizer dos jovens ainda em formação e de seu caráter imediatista?

Uma atitude é certa: o posicionamento de pais e responsáveis é fator essencial para a formação de cidadãos mais críticos e seletivos.  A transmissão de valores através do hábito de consumo responsável tem um impacto expressivo na vida dos filhos – valores que serão absorvidos a cada dia e através da postura observada por eles.

Todas as nossas condutas são baseadas em nosso sistema de crenças. Por exemplo, em minha casa nós damos preferência de compra aos produtos nacionais, ajudamos mensalmente instituições filantrópicas da nossa cidade e procuramos ponderar o custo-benefício das marcas. Essas atitudes são explicadas para nossa filha, que a partir da nossa postura está formando o seu sistema de valores e crenças.

Os comerciais de TV: oportunidade para diálogo
A “dupla” comercial de TV[bb] e crianças sempre foi foco de discussões por parte de especialistas. Alguns recomendam a exclusão das propagandas durante a programação infantil. Outros dizem que a influência de colegas e o estilo de vida familiar têm mais peso na questão do alto consumo, tema para um próximo artigo. Pontos de vista diferentes, com uma recomendação em comum: a necessidade de uma condução na formação dos hábitos de consumo por parte dos pais.

O certo é que as crianças passam muito tempo em frente à TV e as empresas investem muito em propagandas focadas para esse público. Errado? No momento, não cabe a discussão. A questão, mais relevante, é a postura ativa que os pais precisam ter. Precisamos oferecer às crianças e adolescentes ferramentas para torná-los mais seletivos.

Não queremos e nem devemos privá-los de entrar em contato com os inúmeros produtos lançados todo dia pelas empresas, o que seria muito difícil e não resolveria a questão. A atitude correta é prepará-los para terem uma postura mais crítica frente aos comerciais.

A maioria dos nossos hábitos de consumo é influenciada pela mídia, desde o sutil comercial de margarina até os programas instigando nosso cérebro de forma mais direta, ao melhor estilo “Compre, Compre!”.

Os comerciais destinados às crianças e suas mensagens diretas e indiretas possuem um grande impacto sobre elas e é por isso que devemos dedicar atenção especial a eles e como nossos filhos reagem à sua exposição. A especialista em educação financeira infantil Neale S. Godfrey, autora do livro “Dinheiro não dá em Árvores” (Ed. Jardim dos Livros), sugere que o ideal é conversar com as crianças sobre as propagandas, explicando seus objetivos. Quando entendemos como o sistema funciona somos menos vulneráveis à compra pela compra. Seria uma solução contra o consumismo desenfreado que atormenta pais e educadores em todo o mundo.

Através das conversas informais com as crianças e  respeitando as fases de desenvolvimento de cada uma, você estará formando um “consumidor esperto”. O mundo é repleto de produtos e os comerciais existem para mostrar esses produtos e nos convencer a comprá-los. Nosso papel é saber escolher.

Fale com seus filhos sobre:

  • Qualidade;
  • Diferença entre querer e precisar;
  • Pesquisa de preço;
  • Estabelecer comparações e escolher o mais apropriado;
  • Planejamento, poupança e disciplina.

Outro alerta importante é o incentivo inconsciente ao consumismo como forma de compensação emocional. Explico: muitos pais compensam sua ausência com presentes. Bom, acho que não preciso falar mais nada, certo?

E na sua família, como é conduzida a questão do consumo junto às crianças? Escreva-nos contando suas experiências! Um abraço e até o próximo artigo.

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários