Tempos atrás, assisti a um vídeo muito conhecido entre os estudantes e professores de administração. Trata-se do “The Golden Circle” (Círculo Dourado), do escritor inglês Simon Sinek.

O escritor e palestrante defende a ideia de que existe um padrão de pensamento, ação e comunicação nos grandes líderes e organizações inovadoras, como Luther King e Apple.

Ele explicou visualmente essa sua constatação como um conjunto de três círculos concêntricos, um dentro do outro, onde o núcleo é “Por quê”, o círculo intermediário é o “Como” e o externo é o “O que”, conforme imagem abaixo:

Propósito e resultados: por que você faz o que você faz?

Segundo ele, os grandes líderes, vendedores de alta performance e empresas inovadoras se comunicam “de dentro para fora” do Círculo Dourado: mostram primeiramente quem são e no que acreditam, para depois dizerem como e o que fazem. Em outras palavras, o foco da comunicação e mobilização está no “Por quê”.

E aí que entram as perguntas que precisamos responder:

  • Por quê sua empresa existe?
  • Por que você vende o que vende?
  • O que faz você levantar da cama todas as manhãs?

Quando a empresa ou líder consegue influenciar as pessoas a encontrarem, entenderem e valorizarem essas respostas, todos estarão seguindo uma “causa”, o que tem muito mais força e impacto.

Daí uma conclusão que já venho falando a muito tempo e que tem sido tema de vários escritores e palestrantes: o poder de um propósito.

Quando encontramos um “Por quê” para nossas ações, e até mesmo para nossa existência, temos mais motivação e consistência em nossas atitudes. Essa é uma constatação extremamente simples, porém muito poderosa.

Pense bem: se percorrermos um caminho, conscientes do que encontraremos em seu final (e esse objetivo tem valor para nós), certamente caminharemos com mais dedicação, mesmo se encontrarmos algumas barreiras e desafios.

Por outro lado, quando seguimos a mesma estrada sem saber as razões, um obstáculo pode se tornar um grande problema (até mesmo uma razão para desistir).

Isso vale para o funcionário de uma empresa que precisa dedicar-se a um projeto, para um jovem que tem uma carreira a ser construída ou para qualquer pessoa que tem objetivos a serem perseguidos: se não temos clareza de propósito, os esforços para sua realização serão menores.

Nietzsche, filósofo alemão do século XIX, escreveu: “Quem tem um porquê de viver, supera o como viver”. Assim, as razões precisam vir antes das ações.

O líder, antes de determinar as tarefas, deve dedicar tempo para mobilizar pelos motivos. A empresa deve inspirar as pessoas por uma causa, e não apenas convencê-las a comprar seus produtos.

E nós? Volto a insistir que nós devemos ter a clareza dos nossos propósitos! Qual a sua missão de vida? Quais valores você quer viver e praticar? Que legado quer deixar? Qual resultado quer alcançar?

Pense cuidadosamente nos seus objetivos. Muitas pessoas passam a vida inteira perseguindo uma meta sem sentido, insatisfatória ou destrutiva, ou então vivem sem saber o que querem e por quê querem, apenas sobrevivendo ou reagindo às condições e situações.

Assista abaixo um resumo das ideias de Sinek para entender melhor o conceito do “Círculo Dourado”:

Como diz Sinek, o “O que” e o “Como” devem ser consequências do “Por que”. Então, quais são seus propósitos?

 Foto “Life purpose”, Shutterstock.

Marcelo de Elias
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários