Provocações sobre talento e sucessoÉ curioso como temos a tendência de ver histórias de pessoas bem-sucedidas como romances novelescos. Observamos algumas figuras importantes, no seu auge, e quase que instintivamente relativizamos sua posição. Dizemos coisas como “Ele é talentoso” ou “A pessoa certa, na hora certa e no lugar certo” não para reconhecer seus feitos, mas para justificar o porquê de nós não estarmos (ou sermos) como ele.

É interessante refletirmos sobre a nossa reação diante de histórias de sucesso. Muita gente age na defensiva, como o exemplo do parágrafo anterior, ou age de forma indiferente. Poucos são os que vislumbram a história como a rica fonte que é de aprendizado.

O que quero dizer é que, em geral, queremos ser como o nosso ídolo, mas não estamos verdadeiramente dispostos a passar por tudo que ele passou antes de ser quem é. Se você prefere o português mais direto, a verdade é que fantasiamos demais e lidamos muito mal com a frustração, um ingrediente comum em qualquer história de sucesso.

O talento existe mesmo?

Ao confrontar pessoas com essa minha opinião, logo recebo um fulminante contra-ataque: “Nós não temos o talento que essas pessoas têm, por isso dificilmente atingiríamos tal posição”. O argumento é válido e conforta a um sem número de pessoas, mas não me satisfaz.

Eu não acredito nessa história de nascer com um dom específico e sou assim por uma razão muito simples: tudo o que eu conquistei (e que perdi), tudo o que eu vivi (frustrações devidamente incluídas) e tudo o que eu recebi (ou doei) são consequência de quanta disciplina, energia e humildade eu doei em cada etapa de minha vida.

Disciplina para fazer, todo santo dia, o que for necessário para aprender mais. Energia para fazer mais do que esperam de mim, aliando produtividade e resultados de forma coerente. Humildade para reconhecer que o caminho é longo e que o sucesso não é um objetivo, mas uma consequência.

O que isso quer dizer? Que acredito que o sucesso é ao mesmo tempo subjetivo e bastante palpável. Subjetivo porque cada pessoa deve ter sua própria definição do que é ser bem-sucedido (para uns pode ser uma conta bancária milionária e para outros ter tempo livre, por exemplo); e palpável porque ele será uma consequência do quão duro trabalhamos nossas prioridades.

Trabalho duro, a saída garantida

“Exige muito de ti e espera pouco dos outros. Assim, evitarás muitos aborrecimentos”Confúcio

Usar a frase “Mas ele nasceu com talento pra isso” para definir o estágio das pessoas bem-sucedidas é uma forma de dizer “Eu não consigo porque não nasci com esse dom”. Ou seja, é escolher o fracasso sem tentar.

Você não imagina quantas pessoas me disseram que abandonar uma carreira bem-sucedida para tentar virar um escritor e palestrante era uma decisão da qual me arrependeria muito. Essa opinião não era infundada, mas baseava-se em apenas parte da realidade sobre mim.

Poucos sabiam que eu lia e escrevia muito (quantidade) desde a infância e investia desde os 18 anos. Eu treinava muito, aproveitando todo e qualquer tempo livre para ler e escrever, bem como para investigar e testar estratégias de investimentos. Eu trabalhava duro em um sonho, mas isso era algo que dizia respeito apenas a mim.

Exemplos de sucesso precoce precisam ser profundamente conhecidos. Tomar como referência a idade e o sucesso para dizer “Ele é o cara” é ser ingênuo. Quem nunca ouviu algo como “Tão novo, o cara já ganhava tudo”, em relação a Tiger Woods ou Rafael Nadal?

Tiger, por exemplo, joga golfe desde os dois anos de idade, pelo menos 4 horas por dia, tendo sido ensinado por seu pai, um experiente professor (sabe ensinar e treinar, portanto) e golfista amador com excelente handicap.

Sucesso é experimentar, fazer e arriscar!

Sucesso para muita gente é uma palavra que se transforma em meta, e só! A essas pessoas, recomendo uma tarefa enriquecedora: perguntar às pessoas bem-sucedidas qual a razão de seu sucesso. A resposta não será “Sou talentoso”, mas “Trabalhei muito duro para chegar até aqui”.

Sucesso, portanto, não é ler isso ou aquilo, fazer esse ou aquele curso, é praticar muito (mesmo!) o que se quer aprimorar e aprender, dia após dia, faça sol ou faça chuva, com ou sem dor de cabeça. É como correr uma maratona: não se faz isso apenas querendo; é preciso treinar muito, abrir mão de certas coisas (dormir tarde, beber, comer mal etc.) e saber lidar com dores.

Torço muito para que tudo isso que escrevi soe óbvio para você, afinal de contas muitos gurus já escreveram toneladas de livros sobre isso. A questão crucial, então, é essa: se sabemos que sucesso é uma consequência e não um lugar a ser alcançado, então é hora de praticar a lição.

Sendo mais claro, entre a sorte, o simples talento para algo e a possibilidade de trabalhar muito para me aprimorar, vejo na terceira opção um caminho com mais desafios, oportunidades de aprendizado e diversão.

É hora de fazer mais e esperar menos dos outros. É hora de treinar mais e deixar a preguiça de lado. É hora de arriscar mais e lidar melhor com nossas escolhas. Não tome essas decisões achando que elas o levarão ao sucesso, mas porque só assim o sucesso será uma consequência.

Se quiser ir além e aprofundar-se na relação entre sucesso, talento e trabalho, recomendo a leitura de dois livros curtos, porém repletos de exemplos: “Outliers”, de Malcolm Gladwell, e “Talent is Overrated”, de Geoff Colvin.

Qual a sua opinião sobre o texto de hoje? Quer compartilhar alguma experiência ou opinião sobre sucesso e talento? Use o espaço de comentários abaixo e também o Twitter – sou o @Navarro por lá. Abraços e até a próxima.

Foto de freedigitalphotos.net.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários