Psicologia Econômica - Heurísticas, vieses e outros bichosPara simplificar ao máximo, heurísticas e vieses são uma espécie de atalhos mentais que às vezes nos metem em grandes enrascadas. Prefiro a expressão atalho mental porque ela ilustra exatamente o que acontece na nossa cabeça. Assim como um atalho é um caminho mais curto que economiza tempo e esforço, um atalho mental é uma forma de pensar mais rápida e econômica do ponto de vista do esforço cognitivo.

Para deixar mais claro ainda, faça as seguintes contas:

  • 14 X 10 = ?
  • 14 X 27 = ?

A primeira conta permite que utilizemos um atalho mental, ou seja, conseguimos através de uma regrinha prática responder correta e rapidamente à pergunta. Já na segunda você provavelmente deve ter utilizado mais etapas de raciocínio ou recorrido a uma calculadora.

É exatamente assim que a nossa cabeça funciona. Vamos alternando formas de raciocínio mais rápidas, intuitivas e econômicas com outras formas mais lentas, reflexivas e dedutivas. Essas duas formas de pensar são chamadas de Sistema 1 (ou Sistema Automático) e Sistema 2 (ou Sistema Reflexivo), respectivamente.

Ao longo da vida, vamos aprendendo uma série de regras práticas e, sempre que nos deparamos com uma situação onde achamos que podemos usá-las, nós, invariavelmente, as utilizamos – exatamente como você fez para resolver as contas. Afinal, não faria o menor sentido utilizar a linha de raciocínio da segunda conta na resolução da primeira, certo?

Certo. O problema é que muitas vezes nós acabamos utilizando o Sistema 1 em situações onde o mais adequado seria usar o Sistema 2. Isso acontece quando cometemos um erro de percepção e julgamento.

Daniel Kahneman, em seu livro “Ráido e Devagar: Duas Formas de Pensar”, relata um experimento realizado com dois grupos de estudantes: um deles com alunos de Harvard, MIT e Princeton e o outro com alunos de universidades menos renomadas. O teste consistia de uma série de perguntas aparentemente fáceis, mas que envolviam um certo engajamento do Sistema 2 para que se chegasse às respostas corretas.

Entre essas perguntas estava o famoso “bat-and-ball problem”: um taco e uma bola custam $1,10 no total. O taco custa $1,00 a mais do que a bola. Quanto custa a bola?

(A bola custa $0,05)

Em um dos grupos, menos da metade dos alunos conseguiu responder corretamente à questão. No outro, o índice de acerto superou os 80%. Qual dos dois grupos você acha que conseguiu os melhores resultados? Pois é, foram os alunos das universidades menos renomadas.

Segundo Kahneman, uma boa justificativa para esse resultado seria o excesso de autoconfiança. O probleminha da bola e do taco é aparentemente tão simples que ao lê-lo, é praticamente impossível que a resposta $0,10 não venha imediatamente à sua cabeça (e vem mesmo e, pior, faz muito sentido!).

Portanto, a resposta errada veio para os dois grupos. A questão é que a maioria dos alunos das universidades menos renomadas se deu ao trabalho de checar suas respostas, enquanto que mais da metade dos brilhantes de Harvard, MIT e Princeton não o fizeram.

Familiaridade, otimismo exacerbado e excesso de autoconfiança são sentimentos que podem nos fazer pegar um atalho mental não muito favorável. Quando nos sentimos muito confortáveis e confiantes, tendemos a simplificar as opções e acabamos fazendo escolhas que parecem absolutamente corretas, mas que acabam por produzir um efeito contrário àquilo que esperávamos.

Com relação às finanças, estamos vivendo um período de perigosa familiaridade com o endividamento. Ao contrário do que previam alguns economistas tradicionais, as pessoas não estão aprendendo a lidar com a oferta de crédito. Ocorre o oposto, afinal elas estão se sentindo cada vez mais confortáveis em ter uma (boa) parcela de sua renda comprometida com empréstimos, financiamentos e pagamentos de juros.

Talvez você até ache que estou exagerando um pouco (ou muito!), mas a questão é que o Brasil vem sendo veiculado como uma ilha de prosperidade cercada de crise por todos os lados.

Instituições financeiras levantam a bandeira de que se você está endividado, não há nada de errado porque você pode contar com eles para sair do sufoco. No varejo, parece que venda à vista com desconto é uma prática alienígena. Para fechar com chave de ouro, somos um povo perigosamente otimista, afinal “Deus é brasileiro e nós não desistimos nunca!”.

Acho essa combinação de fatores extremamente perigosa no médio e longo prazo. O que fazer, então? No plano individual, planejamento é a palavra chave.

No próximo artigo, vou falar um pouco sobre a participação da Dra.Vera R. de Mello Ferreira na última Conferência da IAREP – International Association for Research in Economic Psychology -, onde ela e sua equipe apresentaram o que está sendo feito em termos de políticas públicas aqui no Brasil em relação à ENEF – Estratégia Nacional de Educação Financeira – e ao programa do PROCON de São Paulo com os superendividados.

Até a próxima!

Foto de sxc.hu.

Adriana Spacca Olivares Rodopoulos
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários