Qual o seu público alvo?Uma realidade bastante comum quando uma empresa decide expandir a sua atuação ou precisa atingir um maior número de clientes é perder o foco de quem é o seu publico alvo. Aproveito para citar a analogia utilizada por Walter Longo e José Luis Tavares, autores do livro “O Marketing na era do Nexo” (Best Seller): as empresas lançavam uma bola de boliche (um comercial, um anúncio etc.) e buscavam abater o máximo de pinos (pessoas) que conseguissem.

Mas, hoje, uma época em que somos inundados por mídia a todo o momento e em que o consumidor saiu da frente da TV[bb] e tem maior poder de escolha sobre o que ver, ler e ouvir – ele escolhe quais informações deseja receber -, fica difícil acertar onde estão e quais são os pinos (consumidores); “abatê-los”, então, nem se fala. Atualmente, parece-me improvável a possibilidade de se criar um produto e divulgá-lo de tal maneira que todas as pessoas o considerem muito legal ou necessário para suas vidas.

As pessoas, desde muito tempo, se organizam em grupos, nichos, tribos, que dispõem das mesmas necessidades, vontades ou de características semelhantes. É comum que os iguais se procurem e se unam. Isto é sobrevivência e sempre foi assim. A realidade que menciono não foi criada por mim ou por um grupo de pesquisadores. É um simples fato que sempre ocorreu.

Tudo isso para dizer que não há sentido em fazer publicidade do seu produto para todas as pessoas, independentemente de quem forem elas. “Ah, mas grandes empresas fazem propagandas o tempo todo e para todo o mundo, para a massa” você deve estar pensando. Pois é, elas são grandes, famosas e têm muito dinheiro. Querem marcar presença, mas ainda assim focam em públicos específicos.

Se eu tivesse o dinheiro[bb] que elas têm, talvez fizesse algo um pouco diferente. Experimentaria ações focadas naqueles com interesse em saber sobre o meu novo produto ou sobre a promoção vigente, ao invés de simplesmente comprar anúncios na TV ou entregar panfletos e jornais. Os nichos têm mostrado força e muitas marcas aproveitaram para identificar-se com os grupos. Tente algo direcionado, para quem quer e precisa ouvir o que você tem a dizer. Por isso a importância de conhecer seus clientes e público alvo.

“Embora sejam criativas, de impacto e até mesmo premiadas, se pegarmos tais propagandas e trocarmos a marca de uma empresa pela de seu concorrente, o efeito da mensagem continuará sendo o mesmo. Ou seja: a propaganda serve para qualquer anunciante. Não promove qualquer diferenciação, nem tem personalidade.” Augusto Nascimento e Robert Lauterborn, autores do livro “Os 4 Es de Marketing e Branding” (Editora Campus)

Insista nessa ideia, crie uma cultura de sempre criar produtos e promoções para pessoas que estejam inseridas em seu publico alvo, ao invés de sair por ai criando produtos que não sabe se alguém um dia irá comprar. A grande ideia aqui é fazer um produto que as pessoas gostariam de ter. Por isso, aproxime-se de seu publico alvo, nicho, tribo, grupo de pessoas ao seu redor e veja se eles se interessariam pelo seu produto. E mãos à obra.

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários