Como será sua vida daqui dez, vinte ou trinta anos? Difícil dizer, não é mesmo? Alguns gostam de usar frases como “O futuro a Deus pertence” ou preferem nem pensar nisso. O fato é que o brasileiro está vivendo cada vez mais (expectativa de vida aumentando) e, em um cenário assim, é fundamental planejar um futuro melhor, principalmente em relação à parte financeira.

Dentro desse cenário de maior longevidade, é fundamental lembrar que a situação da Previdência Oficial já preocupa há muito tempo – e não precisamos ser especialistas para ver como a conta simplesmente não veja.

Se pensarmos que mais pessoas entrarão no sistema ainda muito novos e os que estão recebendo o benefício viverão mais tempo (além daqueles que entraram), veremos que os recursos que entram serão insuficientes para arcar com os benefícios oferecidos. Daí surge a discussão em torno do déficit da Previdência, já ouviu falar?

Logo, começamos a perceber como é importante separar parte de nossas receitas presentes e buscar opções de investimentos para garantir uma aposentadoria mais tranquila, sem a dependência do sistema público, que pode (deve) sofrer transformações drásticas.

A verdade é que, quanto antes decidirmos que cuidar do futuro é algo fundamental, melhores oportunidades teremos para construir o futuro a partir de aportes menores e, principalmente, com mais qualidade de vida. Volto a frisar: trata-se de uma questão de escolha de prioridades e ninguém fará isso por você.

Como montar o plano de investimentos?

A questão que costuma complicar o planejamento para o futuro diz respeito à escolha dos investimentos no momento presente. As perguntas abaixo são muito comuns nestes momentos:

  • Com quanto devo começar a investir?
  • Em que produtos financeiros devo alocar meu dinheiro?
  • Qual a proporção ideal de risco de acordo com meu perfil de investimentos?
  • Quanto devo colocar neste ou naquele produto financeiro para chegar ao montante que desejo?
  • Como simular o retorno financeiro dos meus investimentos para o futuro?

Ferramentas existem para serem usadas

Eu me lembro que uma das conversas que tivemos no passado com a equipe da Órama, nossa parceira para alguns tipos de investimentos, foi justamente sobra a dificuldade das pessoas vislumbrarem claramente um plano de investimentos a partir do momento em que decidem que vão investir.

Onde? Quanto? Como começar? Simulações e, mais do que isso, um suporte nesta escolha são detalhes o que fazem muita diferença. Passamos alguns meses, tivemos a grata surpresa de ver lançada a ferramenta “Portfolio Ideal” (clique para conhecer melhor), que trata justamente de auxiliar o investidor neste começo.

O “Portfolio Ideal” utiliza avançados algoritmos e cálculos matemáticos para sugerir uma combinação 100% personalizada dos melhores fundos de investimento para você aplicar, de acordo com o seu perfil e o dinheiro disponível.

A ideia é facilitar ao máximo: você informa sua idade, perfil de investidor e tempo de aplicação e a ferramenta indicará um resultado percentual de quanto você deve investir em cada categoria de ativos (do menor risco para o maior, respeitando seu perfil e o tempo determinado).

Depois, é só informar o valor disponível para aplicação. Pronto! Você terá uma sugestão para o seu portfolio de fundos de investimento e menos uma desculpa para começar a investir melhor em sua aposentadoria.

O legal é saber que a tecnologia permite que algumas decisões possam ser facilitadas e a aposentadoria é um exemplo importante de como ferramentas podem ser úteis. Clique aqui e experimente a ferramenta gratuitamente. Um abraço e até a próxima!

Foto “Business ilustration”, Shutterstock.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários