Dinheirama - Viver a vida!Os dias parecem se arrastar, o ânimo para sair e passear se foi e a saudade do dia do pagamento bate cada vez mais forte. O final do mês, período bastante desagradável para muitas famílias, é capaz de transformar a convivência familiar em um suplício. Será que falta educação financeira[bb]? “Ganho mal”, “O preço de tudo está sempre subindo” e “Este mês gastamos mais que o usual” são alguns dos comentários ouvidos nesses momentos.

Engraçado! Raramente ouço algo do tipo “Nos faltam objetivos de vida, por isso não temos motivação para poupar e investir. Acabamos gastando tudo porque não há nada mais interessante e que seja capaz de nos fazer mudar idéia”. Soa sincero demais? Pois essa é a tradução para qualquer desculpa que ouvimos quando encontramos amigos ou familiares endividados e(ou) em situações financeiras desconfortáveis.

Um paradoxo interessante mostra-se diante desta questão: não raro, nos questionarmos sobre o destino de nosso dinheiro, mas poucas vezes nos colocamos diante da situação como os verdadeiros culpados. É como saber que a piscina dá pé e ainda assim insistir em nadar desesperadamente, correndo o risco de se afogar. Desafios e experiências à parte, afoga-se assim quem não tem razões para esticar as pernas e levantar a cabeça. Quando falta objetivo, sobram razões para justificar sua ausência. E a vida vai passando…

Se sabemos, por que ignoramos?
Se coubesse a mim definir o significado da palavra escolha, eu optaria por essa pequena frase: o único momento em que, ao mesmo tempo, aproveitamos e desperdiçamos duas ou mais oportunidades. Diante de grandes decisões, e quando objetivos verdadeiros estão em jogo, devemos escolher, optar e assim viver as consequências do caminho escolhido. Passamos por muita coisa quando queremos conquistar algo. Arriscamos, é verdade, mas com disciplina.

Por que não reagimos de forma semelhante diante da situação financeira[bb] de nossas vidas? Por vezes ficamos paralisados, inertes, na esperança de que um aumento ou uma ação externa possam fazer fluir melhor o dinheiro que entra no final do mês. Sem objetivos, o dinheiro percorre um caminho automático, quase sempre previsível, mas muitas vezes incoerente com a dura realidade. Deixamos de lado a força de vontade, por não saber onde aplicá-la. O dinheiro acaba, a angústia se agrava.

Um objetivo. Um de cada vez.
Tudo se resolve com um objetivo. Um de cada vez. Experimente fazer uma radiografia detalhada de sua vida financeira (o Dinheirama oferece excelentes artigos neste sentido) e faça o seguinte exercício:

1) Imagine, ao lado de toda a família, um objetivo importante que gostaria de atingir. A casa dos sonhos, o carro novo, a viagem ao exterior, a câmera digital[bb], o computador[bb], não importa. Por que você merece isso? Por que quer tanto chegar lá? Vislumbre o que quer e anote sua missão (e todos os seus detalhes) no meio de uma folha de papel.

2) Logo abaixo de seu objetivo, descreva como será possível chegar lá. Quitando suas dívidas, organizando melhor o orçamento, vendendo o carro, diminuindo despesas fixas e variáveis, viajando menos e trabalhando um pouco mais são alguns exemplos. Use a imaginação, mas seja realista. Você não quer continuar se enganando, certo?

3) Acima do objetivo traçado, resuma sua proximidade em relação ao “gol”. Por exemplo, escreva “LONGE” se você ainda tem que fazer muita coisa até conseguir atingir sua meta. “QUASE LÁ”, se suas ações já facilitaram o caminho e assim por diante. Use a criatividade.

4) Agora compartilhe esse documento com as pessoas que ama e trate de revisá-lo todo dia, semana ou mês. Leve-o com você e trate de incorporá-lo. Ler este material vai levá-lo à uma profunda reflexão, com uma lição muito simples: você é responsável por sua vida. Não é ótimo?

Se você não quiser fazer nada disso, tudo bem! Continuar sem objetivos apenas fará de você uma pessoa cada vez mais enrolada financeiramente, muito embora essa verdade possa permanecer encoberta durante muito tempo. Assumi-la exige uma coragem que você ainda não desenvolveu. Ainda que a falta de dinheiro[bb] não seja seu maior problema, sugiro que desligue o piloto automático e comece a investigar os caminhos tomados pelo seu soldo mensal.

Dinheiro não combina com subjetividade, achismo ou esperança. Todo o esforço deve estar concentrado no emprego inteligente do que você ganha. Dinheiro combina com planejamento, disciplina e esforço. Depois que você vivenciar o enorme prazer de conquistar um objetivo, vai finalmente compreender porque custa ler um livro até o final ou fazer as tarefas da aula de inglês. Será que não falta associá-los a um objetivo maior?

Crédito da foto para Marcio Eugenio.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários