Vamos ser sinceros: quanto tempo de vida já não perdemos olhando para a grama do vizinho no lugar de cuidar da nossa própria grama?

É natural, é humano, mas, convenhamos, também pode ser uma baita perda de tempo se não estivermos olhando para o outro com olhos de inspiração e aprendizado, mas sim com inveja.

Com as redes sociais, então, este tipo de comportamento acabou se tornando ainda mais frequente e acaba prejudicando de uma maneira que nem nos damos conta.  Vamos falar um pouco sobre isso desta vez? É hora de parar de invejar o que vem do outro e focar em si mesmo. Os resultados serão bem melhores, pode ter certeza.

Leia também: Ego, críticas e hipocrisia: como é o seu comportamento nas redes sociais?

Inveja nas redes sociais, o mal do momento

Pois bem, outro dia li um artigo que dizia que a inveja nas redes sociais já tem nome de doença. É a tal da FoMO. A sigla foi criada em 2004 por Patrick J. McGinnis em um artigo da revista “The Harbis” e em português significa algo como “medo de ficar de fora” (“fear of missing out” em inglês). Essa sigla pode ser usada para aquela sensação de que a sua vida está aí, na mesma rotina chata, enquanto todas as outras pessoas estão vivendo coisas muito interessantes, afinal, as fotos nas redes sociais dizem isso, não é mesmo?

Mas espera lá, já falamos algumas vezes aqui no Dinheirama do perigo que é basear a nossa história pensando na vida “online” de terceiros. Para começar, raramente alguém posta coisas ruins sobre si mesmo se não for para pedir ajuda.

Normalmente, deixamos nas redes as melhores fotos, as melhores paisagens e momentos. Muitas vezes nem estamos sentindo aquilo que a foto parece mostrar, é exatamente o contrário. Portanto, não caia nessa.

Aproveite para ler: Hipocrisia, o combustível das redes sociais (e do fracasso financeiro)

A necessidade de focar na própria vida

Outro ponto é que quando perdemos tempo vigiando a vida alheia, estamos desperdiçando momentos preciosos para nos concentrar e melhorar a nossa própria vida. Fazer comparações do tipo: “Ele ganha tão bem e eu tão mal”, “Eles têm uma casa linda e eu não”, “Ela conhece o mundo e eu nunca consigo viajar” não leva a lugar algum. Até poderia levar se no lugar de invejar estivéssemos olhando para as pessoas e procurando aprender com elas, pensando em como melhorar as nossas estratégias para realizar nossos sonhos também. Percebe a diferença?

Outro dia tomei um ônibus e sentei ao lado de uma senhora. Ela começou a puxar papo e após me contar sobre as muitas cirurgias que o marido havia feito, soltou esta frase: “Sabe, minha irmã fica me dizendo: Ah, se eu tivesse mais dinheiro seria mais feliz. Se eu tivesse outra casa, viveria melhor. Se eu tivesse cabelo liso, teria um namorado. Que bobagem, não é? Eu sou feliz como sou. E acho que todo mundo deveria aprender a ser feliz como é. E se não é, tem que ir atrás do que quer para ser mais feliz”. Pronto, ponto final. Já era hora de eu descer e pensei como às vezes as pessoas aparecem ao nosso lado, mesmo que por instantes, para nos lembrar de algumas coisas simples, que às vezes esquecemos. Provavelmente era o caso.

Leia também: Redes Sociais e Status, uma combinação perigosa para o bolso

Inspire-se

Que tal, no lugar de invejar e achar que sua vida é pior que a dos outros, você buscar inspiração?

É claro que devemos ser gratos por tudo que temos, mas também devemos nos movimentar para melhorar o que não está tão bom. Neste caso, uma das sugestões que tenho é você buscar pessoas que possam servir para inspirá-lo ou até para ensinar determinadas lições que o ajudem a seguir no caminho certo.

Sempre haverá quem sabe um pouco mais, já viveu experiências semelhantes, ou chegou onde você gostaria de estar. Que tal pensar em quem são estas pessoas e procurar aprender com elas em vez de invejá-las? Vamos a um exemplo simples: Você gostaria de perder peso e melhorar sua auto-estima. Olha as fotos de uma colega que conseguiu tudo isso passando por uma reeducação alimentar e praticando exercícios. Que tal, no lugar de invejá-la por isso, você entrar em contato com ela para pegar algumas dicas práticas? Provavelmente ela até gostará de dar essas dicas!

Você pode fazer isso em diversas áreas da sua vida. Pode ser com aquele colega que deu certo no empreendedorismo, com aquele outro que sabe fazer investimentos como ninguém, com aquela colega que realizou um intercâmbio super legal, com aquele amigo de trabalho que sabe vender super bem, e etc. Seja humilde para aprender e aberto para ouvir. Você colherá resultados muito melhores do que ficar invejando a vida alheia, percebe?

Aproveite a leitura: Antes de escolher seu futuro que tal trabalhar um pouco?

Aproveite a internet

 E se a internet fez com perdessemos mais tempo avaliando a vida do outro, também precisamos enxergar que ela pode ser um ótimo canal para entrarmos em contato com as pessoas certas, procurarmos mentores e grupos de apoio para todas as questões possíveis.

A partir de hoje você deve usar esta ferramenta tão poderosa para entrar em contato e inspirar-se nas pessoas que podem ajudá-lo a tornar a sua vida melhor, e deve deixar de perder tempo olhando tantas horas para fotos e vídeos que nada vão acrescentar no seu dia a dia.

Se for o caso, dar um “unfollow” pode ajudar nesta tarefa. Quer apostar como uma simples mudança de comportamento vai ajudá-lo a modificar positivamente a sua rotina e os seus planos futuros? Então mãos à obra! Depois você me conta!

Janaína Gimael
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários