dinheirama-post-quatro-erros-cometidos-investidor-iniciante“Como posso me tornar um bom investidor?” talvez seja a pergunta mais comum quando começamos a investir. É também a dúvida recorrente em sites como o Dinheirama e o Fool.com, uma ótima fonte de artigos sobre finanças pessoais e investimentos (em inglês).

A melhor pergunta a se fazer, no entanto, talvez seja “Como não ser um mal investidor?”, afinal esse deveria ser o pensamento de todos que começam no mercado financeiro. A diferença pode parecer irrisória, mas é importante e você vai entender porquê.

O economista Eric Falkenstein diz: “No tênis profissional, 80% dos pontos são ganhos, enquanto no tênis amador, 80% dos pontos são perdidos. O mesmo acontece nas lutas, no xadrez e também nos investimentos: iniciantes devem focar em não errar e os profissionais devem procurar fazer bons investimentos”.

Abaixo citaremos os quatro principais erros cometidos pelos investidores iniciantes:

1. Falta de diversificação

Warren Buffett disse uma vez que “diversificação de ações é uma proteção contra a ignorância. Faz pouco sentido se você sabe o que está fazendo”. Mas a questão é que a maioria dos investidores não sabe o que está fazendo. Buffett é dono da Berkshire Hathaway, uma empresa que controla em torno de 55 outras empresas, desde pijamas, jatinhos a jornais.

Willian Goetzmann fez uma pesquisa durante 6 anos com mais de 60 mil investidores e concluiu que o grupo que tinha uma carteira menos diversificada obteve em um retorno anual 2,40% menor do que que o grupo com uma carteira mais diversificada.

2. Excesso de operações (trades)

A redução dos custos nas operações e trades foi uma das piores coisas que aconteceu para os investidores. Os altos custos para operar encontrados até pouco tempo levavam as pessoas a pensar mais e melhor antes de agir.

Investidores inexperientes tendem a superestimar suas habilidades, convencendo-se de que podem bater o mercado negociando ativamente, quando, na verdade, eles têm pouca chance de atingir esse objetivo. “Excesso de confiança pode explicar altos níveis de negociação e o fraco desempenho resultante de investidores individuais”, afirmam Terrance Odean e Brad Barber, da Universidade de Berkeley.

3. Planeja para o longo prazo, mas reage no curto

Esse é talvez o principal problema dos investidores iniciantes. Eles planejam aumentar seu patrimônio no mercado de ações em um prazo de 5 a 10 anos, mas basta o mercado ter um dia ruim que ele já pensa: “Meu deus, perdi todo o dinheiro que eu tinha”.

Um exemplo aqui no Brasil é o caso das empresas do grupo de Eike Batista, quem investiu em 2008-2009 nas empresas dele esperava um retorno alto, mas diante das crises e dos problemas enfrentados, muitas pessoas perderam dinheiro ou porque liquidaram suas posições ou porque não tinham controle de risco.

4. Faz as perguntas erradas

Alguns sites de finanças e a mídia em geral fornecem algumas respostas. “Compre essas ações”, “venda essas”, “venda no dia tal”. Faça isso, faça aquilo. Mesmo quando essas respostas vêm de pessoas inteligentes (o que acontece pouco), elas podem estar relacionadas às perguntas erradas.

Em vez de perguntar quais ações deve comprar, o investidor deve primeiro perguntar em que investir primeiro (fundos de índice, por exemplo, são uma ótima alternativa). Em vez de se perguntar como o mercado reagiu hoje, o investidor deve se perguntar se esse comportamento influenciará sua estratégia de longo prazo.

Como você decide onde investir?

Você tem alguma dica para quem quer começar no mercado financeiro? Comente abaixo dando dicas, sugestões e sua opinião sobre o tema. O texto original dos principais erros é uma publicação em inglês do site Fool.com que você pode ler clicando aqui. Até a próxima.

Imagem step in banana, Shutterstock.

Igor Oliveira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários