Home Empresas Queijarias gaúchas obtêm Selo Arte e podem vender no país

Queijarias gaúchas obtêm Selo Arte e podem vender no país

Agora poderemos vender para o Brasil nossos produtos que são feitos com muito carinho e dedicação

por Agência Sebrae
0 comentário

Doze produtores gaúchos já podem comercializar, em todo o país, seus queijos graças a obtenção do Selo Arte. Até segunda-feira (8), já haviam sido concedidos 32 selos graças a uma força tarefa mobilizada pelo Sebrae RS.

Nossa expectativa é de que essas queijarias possam acessar novos mercados, ganhar clientes em todo território nacional e que possam continuar a mostrar a cultura e a história do Rio Grande do Sul através do saber fazer que é passado de geração para geração.

O papel do Sebrae é estar junto e apoiar o desenvolvimento e o crescimento de seus clientes.

Aline Balbinoto, analista de Competitividade Setorial do Sebrae RS, coordenadora de projetos de Leite e Derivados do estado.

A queijaria Fendt, de São Borja/RS, é uma das marcas que já receberam a certificação. A produtora Daniela Fendt conta que anteriormente só contava com o Serviço de Inspeção Municipal (SIM) e que por isso só conseguia comercializar o produto em feiras.

No entanto, com a catástrofe climática que acometeu o Rio Grande do Sul, esses espaços de comercialização foram cancelados ou transferidos.

Foi então que os produtores, com apoio do Sebrae e outras instituições, passaram a pleitear ao Ministério de Agricultura e Pecuária (Mapa) liberação para comercializar os queijos em outros estados. 

Como resposta, o governo federal publicou a Portaria SDA/MAPA 1.114, de 15 de maio de 2024, autorizando o ingresso e comercialização de produtos de origem animal do Rio Grande do Sul, em caráter emergencial, durante o prazo de 90 dias.

“Agora poderemos vender para o Brasil nossos produtos que são feitos com muito carinho e dedicação. Com a certificação estamos escrevendo um novo capítulo na nossa história”, comenta Daniela, que recebeu o Selo Arte para o Queijo Colonial que produz.

Ela acredita que que sem o movimento e apoio direto do Sebrae o selo não seria viabilizado. E conta, ainda, que a queijaria está no processo para a certificação do doce de leite e do queijo autoral Lindeiro.

Assim como Daniela, de acordo com Aline Balbinoto, novas queijarias do estado ainda poderão obter o selo. Além das artesanais, a iniciativa também estende o selo para as agroindústrias de produtos de origem animal.

“Desde que cumpram os requisitos do Mapa, mantendo sua singularidade e as características tradicionais, culturais ou regionais do produto”, indica a analista.

Ainda conforme Aline, dentro das diversas ações do Sebrae para recuperação dos pequenos negócios, algumas consultorias foram disponibilizadas gratuitamente através da plataforma UNIO (uniosebrae.com.br).

Queijo Colonial, da queijaria Fendt, recebeu o Selo Arte a partir da movimentação do Sebrae RS
Queijo Colonial, da queijaria Fendt, recebeu o Selo Arte a partir da movimentação do Sebrae RS (Imagem: Divulgação Sebrae)

Através dessas consultorias os produtores de queijos e doces de leite artesanais tiveram toda a documentação montada e encaminha para a obtenção do selo arte.

Aline Balbinoto, analista de Competitividade Setorial do Sebrae RS, coordenadora de projetos de Leite e Derivados do estado.

Rito do selo

Conforme a consultora do Sebrae RS Raquel Cavadas Tavares Mesquita, o papel da instituição na viabilização do processo foi de conhecimento técnico e expertise sobre o assunto.

Ela explica que essa é política inclusiva que permite salvaguardar receitas tradicionais e a manutenção dos saberes em produtos feitos de forma artesanal e local.

“Para ser considerado artesanal, o produto precisa ser registrado (estar legalizado junto à inspeção), a matéria-prima ser própria ou de origem determinada, o processo ser feito por quem o domina (ex.: o produtor consegue pegar o leite e transformá-lo em queijo maturado) e ter um vínculo com o território”, explica Raquel.

O Selo Arte é uma política pública federal que iniciou suas publicações (ferramentas legais) em 2018 e que visa dar livre comércio aos produtos artesanais brasileiros.

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.