Com o crescimento do desemprego gerado pela crise, muitas pessoas têm refletido se chegou a hora de ter seu próprio negócio. Na atual conjuntura brasileira de economia em retração, as franquias despontam como uma boa alternativa – o setor segue confiante de que crescerá entre 10% e 15% em 2015.

“O franchising é tradicionalmente o último a entrar na crise e o primeiro a sair dela”, diz José Rubens Oliva Rodrigues, diretor da Associação Brasileira de Franchising (ABF).

De acordo com Larissa Carvalho, consultora do Sebrae, o sistema de franquias é excelente para pessoas cujo perfil se enquadre em seguir as regras e estratégias traçadas pela franqueadora. “A franqueadora irá passar toda a inteligência do negócio que já foi testada no mercado, fazendo com que aumente a chance do seu sucesso”, explica.

Segundo a especialista, os segmentos que mais crescem nos últimos são os de alimentação, esporte, saúde, beleza & estética e lazer.

Leitura recomendada: O que é melhor: investir em franquia ou começar um negócio próprio do zero?

Mas, antes de se aventurar no mundo do empreendedorismo, é importante observar uma série de medidas, além de tomar alguns cuidados para se dar bem na escolha do seu negócio. Confira:

Conheça o ramo de atuação em que pretende investir

O primeiro passo é analisar quais são suas especialidades, seus talentos e quais áreas tem mais afinidade. “A escolha do segmento de atuação que você mais se identifica é um bom começo, pois não será viável você abrir uma academia caso nunca tenha pisado em uma e não se interesse pela prática de atividade física, por exemplo”, diz Larissa, do Sebrae.

Por isso, o perfil de cada um deve ser levado em conta. Não adianta escolher uma franquia pela rentabilidade e perceber que não gosta do trabalho.

Analise as informações do franqueador

O franqueador é obrigado a emitir a Circular de Oferta de Franquias (COF), documento que contém todas as informações referentes ao negócio, como balanços e demonstrações financeiras, atividades a serem desempenhadas pelo franqueado, investimento inicial, taxa de franquia e valor das instalações, etc.

Por se tratar de um documento importante, é necessário submetê-lo a um advogado, para que esse indique pontos obscuros. Observe se o valor do contrato é superior a taxa de retorno informada. Além disso, não gaste todo seu recurso disponível no início do negócio.

“Lembre-se que é preciso continuar investindo ao longo do processo até começar a obter lucro, por isso a importância de saber a taxa do ROI (Retorno do investimento)”, recomenda Larissa.

Converse com quem já é franqueado

Conversar com mais de um franqueado da marca de seu interesse é fundamental para tirar todas as suas dúvidas e obter informações sobre o suporte dado, situações já ocorridas, quais foram os desafios enfrentados, retorno do investimento, se houve e como foi o treinamento, etc.

Invista com consciência

Não aja por impulso e evite fazer grandes empréstimos para iniciar o negócio. A recomendação é começar com uma franquia que tenha um valor inicial de investimento que caiba no seu bolso e, aos poucos, expandir para empreendimentos maiores. Além disso, vale lembrar que é preciso ter capital para sustentar o negócio por pelo menos um ano, quando deve começar a dar retorno financeiro.

Leitura recomendada: 25 franquias baratas: investimentos a partir de R$ 4,7 mil

Capacite-se

É muito importante buscar capacitação por meio de cursos, palestras e consultorias. Instituições como o Sebrae-SP, o Instituto Politécnico de Ensino à Distância (iPED), a Fundação Getúlio Vargas (FVG) e a Associação Brasileira de Franchising (ABF) oferecem diversos cursos online gratuitos que auxiliam o empreendedor iniciante.

Foto “franchise”, Shutterstock.

Isabella Abreu
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários